Juiz manda soltar sete alvos da Custo Brasil

Depois que o ministro do STF Dias Toffoli considerou "ilegal" a prisão do ex-ministro Paulo Bernardo, solto por ele, e depois revogado também a prisão do empresário Dercio Guedes de Souza, o juiz federal Paulo Bueno de Azevedo mandou soltar sete dos onze presos da Operação Custo Brasil; ele só manteve na prisão o ex-tesoureiro do PT, Paulo Ferreira, e outro investigado, Nelson Freitas

Depois que o ministro do STF Dias Toffoli considerou "ilegal" a prisão do ex-ministro Paulo Bernardo, solto por ele, e depois revogado também a prisão do empresário Dercio Guedes de Souza, o juiz federal Paulo Bueno de Azevedo mandou soltar sete dos onze presos da Operação Custo Brasil; ele só manteve na prisão o ex-tesoureiro do PT, Paulo Ferreira, e outro investigado, Nelson Freitas
Depois que o ministro do STF Dias Toffoli considerou "ilegal" a prisão do ex-ministro Paulo Bernardo, solto por ele, e depois revogado também a prisão do empresário Dercio Guedes de Souza, o juiz federal Paulo Bueno de Azevedo mandou soltar sete dos onze presos da Operação Custo Brasil; ele só manteve na prisão o ex-tesoureiro do PT, Paulo Ferreira, e outro investigado, Nelson Freitas (Foto: Gisele Federicce)

247 – O juiz federal Paulo Bueno de Azevedo, da 6.ª Vara Federal Criminal de São Paulo, mandou soltar sete dos onze presos da Operação Custo Brasil, deflagrada há uma semana e que havia prendido o ex-ministro Paulo Bernardo.

A decisão ocorreu depois que o ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, revogou a prisão de Paulo Bernardo, a qual considerou "illegal". Depois, também nesta quarta-feira, Toffoli mandou soltar o empresário Dercio Guedes de Souza.

O juiz só manteve na prisão o ex-tesoureiro do PT, Paulo Ferreira, e outro investigado na Custo Brasil, Nelson Freitas. Ele criticou publicamente a decisão de Dias Toffoli, a qual viu com "perplexidade".

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247