Juiz solta três executivos mas prorroga prisão de um da Odebrecht

O juiz federal Sergio Moro mandou soltar nesta terça-feira (23) três investigados pela Operação Lava Jato que haviam sido presos na última sexta (19); prorrogou, porém, por outras 24 horas, a prisão de um ex-executivo da Odebrecht, Alexandrino Ramos de Alencar, que é apontado por delatores como o responsável por pagamentos de suborno no exterior, o que a empresa nega; os três libertados são a advogada Christina da Silva Jorge, e os executivos Antonio Pedro Campelo de Souza e Flávio Lúcio Magalhães

www.brasil247.com - O juiz federal Sergio Moro mandou soltar nesta terça-feira (23) três investigados pela Operação Lava Jato que haviam sido presos na última sexta (19); prorrogou, porém, por outras 24 horas, a prisão de um ex-executivo da Odebrecht, Alexandrino Ramos de Alencar, que é apontado por delatores como o responsável por pagamentos de suborno no exterior, o que a empresa nega; os três libertados são a advogada Christina da Silva Jorge, e os executivos Antonio Pedro Campelo de Souza e Flávio Lúcio Magalhães
O juiz federal Sergio Moro mandou soltar nesta terça-feira (23) três investigados pela Operação Lava Jato que haviam sido presos na última sexta (19); prorrogou, porém, por outras 24 horas, a prisão de um ex-executivo da Odebrecht, Alexandrino Ramos de Alencar, que é apontado por delatores como o responsável por pagamentos de suborno no exterior, o que a empresa nega; os três libertados são a advogada Christina da Silva Jorge, e os executivos Antonio Pedro Campelo de Souza e Flávio Lúcio Magalhães (Foto: Valter Lima)


247 - O juiz federal Sergio Moro mandou soltar nesta terça-feira (23) três investigados pela Operação Lava Jato que haviam sido presos na última sexta-feira (19). Prorrogou, porém, por outras 24 horas, a prisão de um ex-executivo da Odebrecht, Alexandrino Ramos de Alencar, que é apontado por delatores como o responsável por pagamentos de suborno no exterior, o que a empresa nega enfaticamente. Alexandrino pediu demissão na segunda (22) e foi desligado da empresa. O juiz deu esse prazo para que o Ministério Público Federal se manifeste sobre o pedido de prisão preventiva de Alexandrino, solicitada pela Polícia Federal, que visa ampliar o tempo que ele ficará detido.

Alexandrino teria participado de uma reunião em que se acertou o pagamento de propina em valores que variavam de US$ 3 milhões a US$ 5 milhões ao ano para que a Braskem, do grupo Odebrecht, conseguisse comprar um produto químico chamado nafta por um preço menor. A informação foi reafirmada pelo ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, em novo depoimento de seu acordo de delação premiada, prestado nesta terça.

Alexandrino e os outros três executivos tinham sido alvo de mandado de prisão temporária, que tem duração de cinco dias. O prazo vencia nesta terça-feira, mas a Polícia Federal havia pedido que Alexandrino e os outros três investigados tivessem suas prisões convertidas em preventiva, que não tem prazo definido para acabar. O juiz, no entanto, refutou o pedido do delegado Eduardo Mauat da Silva. Os outros três libertados são a advogada Christina da Silva Jorge, e os executivos Antonio Pedro Campelo de Souza e Flávio Lúcio Magalhães. Marcelo Odebrecht, presidente do grupo homônimo, e Otávio Azevedo, presidente da Andrade Gutierrez, continuam presos.

Christina é acusada de ter assumido uma empresa offshore e sua representante no Brasil, a Hayley, que os procuradores acusam de ter sido usada para pagar propina para a Odebrecht. Flávio Magalhães é diretor da Andrade Gutierrez e foi acusado pelo doleiro Alberto Youssef de internalizar valores vindo da Venezuela de maneira fraudulenta. Antonio Pedro, ex-executivo da Andrade Gutierrez, foi preso sob acusação de ter assinado contratos de consultoria que não foram prestadas por Mario Goes, apontado como repassador de propina na Petrobras.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email