Após Lava Jato defender semiaberto, juíza pede à PF certidão de conduta de Lula na prisão

Juíza da 12ª Vara Criminal Federal de Curitiba, Carolina Lebbos, solicitou à PF uma certidão de conduta carcerária do ex-presidente Lula, que é mantido como preso político nas dependências da instituição. Na semana passada, o MPF se posicionou favoravelmente pela progressão do regime carcerário a que Lula está submetido

(Foto: Felipe Gonçalves/Brasil 247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A juíza da 12ª Vara Criminal Federal de Curitiba, Carolina Lebbos, solicitou à Superintendência da Polícia Federal (PF) no Paraná a expedição de uma certidão de conduta carcerária do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que é mantido como preso político nas dependências da instituição. 

A solicitação foi feita na esteira da manifestação do Ministério Público Federal (MPF), que na semana passada se posicionou favoravelmente pela progressão do regime carcerário a que Lula está submetido.

A manifestação do MPF, assinada pelo coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, e outros 14 procuradores, diz que Lula cumpre os requisitos de bom comportamento para usufruir da progressão do regime. 

Conforme o artigo 112 da Lei de Execuções Penais, a progressão de pena poderá ser feita "quando o preso tiver cumprido ao menos um sexto da pena no regime anterior e ostentar bom comportamento carcerário, comprovado pelo diretor do estabelecimento".

A defesa do ex-presidente foi intimada a se posicionar sobre o posicionamento do MPF. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email