Juízes ganham muito, mas param por reajuste

Magistrados fazem paralisao de um dia para cobrar reajuste de 21%; se concedido, aumento teria impacto de R$ 350 milhes nos cofres pblicos

www.brasil247.com - Juízes ganham muito, mas param por reajuste
Juízes ganham muito, mas param por reajuste (Foto: Shutterstock)


Fernando Porfírio _247 - O Brasil é um país estranho. Quem poderia imaginar que juízes federais e trabalhistas fossem entrar em greve? Eles somam 5,6 mil magistrados e começam a carreira com salário de R$ 21 mil. Mas estão insatisfeitos e querem um aumento no contra cheque de 21%.

O aumento, se concedido, teria impacto de R$ 350 milhões nos cofres públicos. A categoria diz que está há seis anos sem reajuste salarial e as perdas acumuladas com a inflação são de 40%. De acordo com tabela do Conselho da Justiça Federal, em 2010, a remuneração dos juízes federais de 1º e 2º graus, variava entre R$ 21.766,16 e R$ 24.117,62.

A paralisação desta quarta-feira (30) é de apenas um dia. Na pauta os magistrados dizem que estão parados em defesa de segurança, melhoria nas condições de trabalho, política previdenciária, de saúde e remuneratória.

O Conselho da Justiça Federal condenou a paralisação. A mesma posição foi tomada pelo Conselho Superior da Justiça do Trabalho. O primeiro considerou a greve ilegal e pediu que a Advocacia-Geral da União (AGU) fiscalize qualquer anormalidade que deverá ser notificada às corregedorias regionais. O Conselho da Justiça do Trabalho determinou o desconto dos dias parados.

“Se queremos um Judiciário independente e fortalecido, temos que lutar por isso. E isso passa pela garantia do poder de compra dos subsídios de um juiz, hoje defasado em quase 25%”, disse o presidente da Anamatra, Renato Sant’Anna.

O presidente da Ajufe (Associação dos Juízes Federais), Gabriel Wedy, disse que a categoria precisa construir uma agenda positiva para o Judiciário. “As cúpulas dos três Poderes precisam sentar à mesa e conversar sobre o assunto. Os juízes estão sem segurança, mais de 200 ameaçados de morte segundo o CNJ, embora o número na realidade seja bem maior”, afirmou.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email