Juliane Furno: “As mulheres foram as mais atingidas no mercado de trabalho durante a pandemia”

A economista Juliane Furno, em entrevista à TV 247, destacou a segmentação social do desemprego ocasionada pela pandemia da Covid-19. Ela afirmou que o principal grupo afetado foi o de mulheres negras, que ocupavam vagas em serviços de alojamento e alimentação e domésticos

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - No Boa Noite 247, a economista e ativista Juliane Furno notou as graves consequências da pandemia da Covid-19 para as mulheres, principalmente as negras, que tiveram seus empregos drasticamente cortados.

Furno afirmou que existe uma grande diferença entre as vagas ocupadas por homens e mulheres: “Enquanto os homens estão mais ligados aos serviços de informática, indústria e comércio, que pode ou ter sido feito em home office ou mesmo retornando com o distanciamento social, as mulheres são majoritárias nos serviços”, disse.

“Estes são principalmente os serviços vinculados à educação, que envolve uma grande interação social, e vinculada aos serviços pessoais”, acrescentou a economista.

Ela notou a segmentação do desemprego, que afeta majoritariamente mulheres negras e menos privilegiadas: “As atividades que mais perderam vagas de emprego foram alojamento e alimentação, ocupadas principalmente por mulheres negras, e o emprego doméstico, que foi o setor que perdeu um milhão de vagas de trabalho, que geralmente também é exercido por mulheres negras”, concluiu.

Inscreva-se na TV 247, seja membro e compartilhe:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email