Jurista diz que ministro da educação cometeu crimes de falsificação de documento e falsidade ideológica

Na opinião de Marcelo Uchôa, Carlos Decotelli estaria sujeito inclusive a penas de prisão

Marcelo Uchôa
Marcelo Uchôa (Foto: Rodrigo Rocha)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O jurista Marcelo Uchôa avalia que o novo ministro da educação, Carlos Decotelli, cometeu os crimes de falsificação de documento público e falsidade ideológica, ao mentir sobre sua formação acadêmica. "Sobre o Ministro da Educação falsificar o Currículo Lattes e dizer q concluiu cursos q não concluiu. Infrações claras ao Código Penal:  Art. 297 - Falsificação de documento público. Art. 299 - Falsidade ideológica. Previsão de penas: reclusão de 2 a 6 anos; 1 a 5 anos + multas", postou Uchôa, em seu twitter. Saiba mais sobre o caso:

Depois de ser desmentido pelo reitor da Universidade Nacional de Rosário, na Argentina, Franco Bartolacci, que negou no Twitter que o novo ministro da Educação do Brasil, Carlos Alberto Decotelli da Silva, tenha doutorado na instituição, o ministro resolveu alterar seu currículo Lattes e admitir que não defendeu tese de doutorado.

Agora, o documento ressalva que ele concluiu todos os créditos do doutorado em Administração, mas não defendeu a tese.

Antes, constava originalmente a informação de doutorado na Universidade Nacional de Rosário concluído em 2009, com a tese "Gestão de Riscos na Modelagem dos Preços da Soja", sob orientação de Antonio de Araujo Freitas Jr. O título da tese e o nome do orientador foram excluídos. O campo "Título" foi preenchido com "Créditos concluídos". E, no campo "Orientador", passou a ser listado: "Sem defesa de tese".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247