Justiça Federal dá 72 horas para o Planalto explicar sigilo da carteira de vacinação de Bolsonaro

A Justiça Federal de Brasília deu um prazo de 72 horas para o representante da União Federal se manifestar sobre a decretação sigilo imposto à carteira de vacinação de Jair Bolsonaro. Presidido por Gleisi Hoffmann (PR), o PT protocolou uma ação contra o sigilo. "É questão de saúde e interesse público, não de segurança de Estado", disse a parlamentar

(Foto: ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Juíza da 20ª Vara Federal de Brasília deu um prazo de 72 horas para o representante da União Federal se manifestar sobre a decretação sigilo imposto à carteira de vacinação de Jair Bolsonaro atendendo a pedido feito pela presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), em Ação Popular. 

O partido protocolou, nesta segunda-feira (11), na 20ª Vara Federal Cível da SJDF uma Ação Popular com pedido de liminar ao Supremo Tribunal Federal contra o ato decretado pelo Palácio do Planalto para impor sigilo de até 100 anos no cartão de vacinação de Bolsonaro.

"Por que Bolsonaro tem de ter sigilo em suas vacinas? Causa aglomerações, se expõe e expõe aos outros a risco. É questão de saúde e interesse público, não de segurança de Estado", escreveu Gleisi no Twitter. 

Em 2020, a Justiça Federal de São Paulo já tinha autorizado que o jornal o Estado de S.Paulo tivesse acesso aos resultados dos testes laboratoriais de Bolsonaro sobre a infecção pelo coronavírus, o que terminou no cumprimento espontâneo pelo Planalto às vésperas de uma decisão do ministro do STF Ricardo Lewandowski.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247