Kim Kataguiri recorre ao STF para concorrer à presidência da Câmara

Kim Kataguiri, eleito deputado federal pelo DEM-SP, pediu que o Supremo Tribunal Federal (STF) assegure a ele o direito de concorrer à presidência da Câmara mesmo sem ter 35 anos; por estar na linha sucessória da Presidência da República, cuja idade mínima é de 35 anos, alguns parlamentares defendem que Kim não preenche os requisitos exigidos pela Constituição, já que ele tem 23 anos

Kim Kataguiri recorre ao STF para concorrer à presidência da Câmara
Kim Kataguiri recorre ao STF para concorrer à presidência da Câmara
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado federal eleito Kim Kataguiri (DEM-SP) apresentou recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo para que a Corte lhe garanta o direito de concorrer ao cargo de presidente da Câmara dos Deputados mesmo não tendo 35 anos.

A polêmica é que o que assume a presidência da Câmara está na linha sucessória da Presidência da República. Entre os requisitos para assumir a presidência, está a idade mínima de 35 anos, o que para alguns parlamentares e especialistas representa um impeditivo para as pretensões de Kim, que ainda vai completar 23 anos no final deste mês.

Eleito deputado federal em seu primeiro mandato eletivo e ligado ao grupo de direita MBL, Kataguiri diz que, como deputado federal, atende à única condição regimental imposta para sua candidatura ao cargo de presidente da Câmara, que é ser brasileiro nato.

Segundo os advogados, parlamentares e especialistas sugerem que para se candidatar à presidência da Casa, Kim Kataguiri deveria preencher as condições de elegibilidade previstas para o cargo de presidente da República, entre elas a idade mínima de 35 anos.

Ele contesta esse argumento na petição junto ao Supremo, afirmando que a Constituição Federal, a legislação infraconstitucional e o Regimento Interno da Câmara dos Deputados não preveem idade mínima para a assunção do cargo de presidente da Casa. "Motivo pelo qual é incabível qualquer interpretação restritiva do direito do autor", alegam os advogados de Kim Kataguiri.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247