Lambança no laranjal

"O ex-capitão Bolsonaro seguiu, ao que parece, à risca o roteiro do outro capitão, ficcional, o Nascimento. O 'pede pra sair' foi diante de todos, com direito a cusparada, tapa na cara e humilhação. Em matéria de 'escracho', anos-luz distante ao 'some, por favor' dito a Fabrício Queiroz", diz o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço

Lambança no laranjal
Lambança no laranjal (Foto: Adriano Machado - Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Era para ser o grande dia: alta (ou baixa, como ele diz) do hospital e anúncio das regras de reforma da previdência.

Mas todas as atenções- e as capas dos jornais – estão afundadas no “Laranjal do Jair”, o escândalo que virou gigante quando Bolsonaro atiçou o filho a chamar de “mentiroso” o seu ex-parceiro de negócios da campanha, Gustavo Bebbiano, o homem que “acertou” a entrega do PSL de Luciano Bivar para servir de montaria à candidatura do ex-capitão.

É claro que, àquele casamento de conveniência não faltou o dote e, farto, porque o aluguel da legenda foi “de porteira fechada”, tanto que a presidência foi entregue do partido foi entregue ao próprio Bebbiano e só devolvida no pós-eleição, para que o agora “mentiroso” fosse ser o articulador da transição de governo.

Como é claro que, por mais inapetência que Jair Bolsonaro tenha pelos negócios – neste caso, literalmente – partidários Gustavo Bebbiano não teria autonomia para fechar o acerto, que até um comunicado-contrato teve, sem o conhecimento do chefe.

É a carta que ele tem no bolso, provavelmente, mas que dificilmente poderá usar, tamanho é o poder do agora ex-amigo e da “filhocracia” que o cerca.

Há um inegável clima de espanto e medo diante da violência que está marcando o episódio.

O ex-capitão Bolsonaro seguiu, ao que parece, à risca o roteiro do outro capitão, ficcional, o Nascimento. O “pede pra sair” foi diante de todos, com direito a cusparada, tapa na cara e humilhação. Em matéria de “escracho”, anos-luz distante ao “some, por favor” dito a Fabrício Queiroz.

O resultado prático é que a cena de um governo equilibrado e ponderado, que iria ser levada ao palco hoje, com o “bom” Bolsonaro propondo uma idade mínima para a aposentadoria que não fosse tão dura quanto a “além-túmulo” com que a turma de Paulo Guedes acenava, foi roubada pelo “tiro, porrada e bomba” que está na ribalta, neste momento.

Há medo e uma sensação de que os métodos do “ex e sempre” capitão não servem ao generalato político que assumiu.

Este negócio de “quem piar leva uma tuitada” não funciona com gente grande.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247