Lava Jato culpa Janot por vazamento de áudio, que nega

Procuradores da força-tarefa da Lava Jato disseram que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ouviu antecipadamente e autorizou a divulgação dos áudios envolvendo o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff nessa semana; procurado, Janot, que está na Europa, negou, porém, que tivesse conhecimento da existência das gravações antes de elas virem a público na última quarta-feira 16

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, durante debate dos candidatos ao cargo de procurador-geral da República, promovido pela ANPT, AMPDFT e ANMPM (Antonio Cruz/Agência Brasil)
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, durante debate dos candidatos ao cargo de procurador-geral da República, promovido pela ANPT, AMPDFT e ANMPM (Antonio Cruz/Agência Brasil) (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Procuradores da força-tarefa da Lava Jato informaram o jornalista Graciliano Rocha, da Folha de S. Paulo, terem recebido a autorização do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, antes de divulgar o áudio envolvendo o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff na última quarta-feira 16.

Segundo os investigadores, Janot ouviu antecipadamente as gravações e autorizou a retirada do sigilo pelo juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato em primeira instância. Procurado pela Folha, Janot, que está na Europa, negou, porém, que tivesse conhecimento da existência das gravações antes de elas virem a público.

Os investigadores apontaram que primeiramente integrantes do grupo da PGR foram avisados sobre a existência e o conteúdo dos áudios envolvendo Lula, com exceção da conversa com a presidente, que ainda não estava anexada aos autos. A informação, segundo eles, foi imediatamente levada a Janot, que, da Europa, teria dado a autorização para a retirada do sigilo das conversas.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247