Lewandowski não vê ilegalidade em contrato com jornalista Luís Costa Pinto

Ministro revisor não vê peculato sobre ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha na contratação da empresa IFT, de ex-editor da revista Veja

Lewandowski não vê ilegalidade em contrato com jornalista Luís Costa Pinto
Lewandowski não vê ilegalidade em contrato com jornalista Luís Costa Pinto (Foto: Reprodução/Facebook)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Ainda sem ter concluído a leitura completa de seu terceiro voto nesta quarta-feira 23, o ministro revisor da Ação Penal 470 no Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, já dava indícios, às 17h30, de que absolveria o ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha pela acusação de ter contratado ilegalmente o jornalista Luís Costa Pinto, dono da agência LFT. Ele citou uma série de depoimentos nos autos do processo que deram conta de que Costa Pinto "era publicamente reconhecido" como assessor e consultor da Câmara. O revisor parecia querer demonstrar que não houve peculato, como viu a acusação, na relação dele com a Câmara. "A verdade é que não há nenhum depoimento no processo que informe que o jornalista Luís Costa Pinto não tenha prestado os serviços contratados", disse o ministro. Ele citou depoimento do próprio Costa Pinto, em juízo, de que sua assessoria para a campanha de João Paulo à presidência da Câmara fora paga pelo PT. "A meu juízo, as robustas provas produzidas nos autos demonstram que os serviços foram efetivamente prestados pela IFT".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247