LGBT: 63% dos jovens são rejeitados pela família ao assumir orientação sexual

Estudo feito pela consultoria de engajamento Santo Caos analisou o comportamento de uma parcela de jovens do universo LGBT com 116 pessoas, entre 18 e 25 anos, e o resultado apresentou que 63% desses jovens relatam sentir rejeição total, ou parcial, dos familiares após assumirem a orientação sexual; o estudo apontou também que apenas 59% revelam a orientação sexual para os familiares, enquanto que os outros 41% dizem assumir para algumas pessoas, ou preferem esconder totalmente

www.brasil247.com - Estudo feito pela consultoria de engajamento Santo Caos analisou o comportamento de uma parcela de jovens do universo LGBT com 116 pessoas, entre 18 e 25 anos, e o resultado apresentou que 63% desses jovens relatam sentir rejeição total, ou parcial, dos familiares após assumirem a orientação sexual; o estudo apontou também que apenas 59% revelam a orientação sexual para os familiares, enquanto que os outros 41% dizem assumir para algumas pessoas, ou preferem esconder totalmente
Estudo feito pela consultoria de engajamento Santo Caos analisou o comportamento de uma parcela de jovens do universo LGBT com 116 pessoas, entre 18 e 25 anos, e o resultado apresentou que 63% desses jovens relatam sentir rejeição total, ou parcial, dos familiares após assumirem a orientação sexual; o estudo apontou também que apenas 59% revelam a orientação sexual para os familiares, enquanto que os outros 41% dizem assumir para algumas pessoas, ou preferem esconder totalmente (Foto: Romulo Faro)


247 - Com a proximidade da tradicional Parada Gay, que acontece no domingo (7), as reflexões em torno do futuro do público LGBT são intensificadas. Nesses quase 20 anos de existência, o evento periodicamente traz à tona um tema ligado ao orgulho das diferentes orientações sexuais e, principalmente, ao respeito à diversidade.

A consultoria de engajamento Santo Caos (santocaos.com.br) fez uma análise comportamental com uma parcela de jovens do universo LGBT, a partir de seu próprio estudo recente 'Demitindo Preconceitos – Por que as empresas precisam sair do armário – (http://www.demitindopreconceitos.com/).

A avaliação foi elaborada com 116 jovens, entre 18 e 25 anos, e o resultado apresentou que 63% desses jovens relatam sentir rejeição total, ou parcial, dos familiares após assumirem a orientação sexual.

"A partir de um 'olhar' mais a fundo sobre o nosso estudo dos profissionais LGBT no mercado de trabalho, percebemos que a postura dos mais jovens nas empresas era muito semelhante com as atitudes e questionamentos encontrados no convívio familiar e social. Carreira e vida cada vez mais se misturam, por isso é importante que as empresas possuam políticas públicas mais concretas, a fim de orientar e ajudar os colaboradores a compreender totalmente suas dificuldades e anseios", explica Daniel Santa Cruz, diretor da Santo Caos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O estudo apontou também que apenas 59% revelam a orientação sexual para os familiares, enquanto que os outros 41% dizem assumir para algumas pessoas, ou preferem esconder totalmente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"O assunto ainda é tratado como tabu e algumas pessoas sentem essa não aceitação dentro de casa. É aquela velha história de 'o filho do vizinho pode ser homossexual, o meu não'. Por conta deste pensamento arcaico, muitos acabam tendo enorme receio de revelar a sexualidade", afirma Daniel.

No campo profissional, o levantamento aponta que os questionamentos e a falta de aceitação estendem-se do mercado de trabalho para a vida. Realizando a análise dos dados, constatou-se que 30% assumem a sexualidade para o chefe imediato e apenas 2% revelam para o gestor de Recursos Humanos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Se o jovem que declara para os familiares já sofre tamanha rejeição, os números tendem a ser inferiores quando comparados com o mercado de trabalho. Esse fato alerta as empresas a pensarem além das políticas, investindo em treinamentos, ações e em outros recursos que ajudem a abrir discussões saudáveis para tornarem o ambiente profissional cada vez mais favorável a diversidades, além de contribuir, de fato, com a atmosfera fora da dela", diz Daniel Santa Cruz.

Além desses aspectos, a análise dos dados na esfera profissional mostrou que 42% dos jovens já sofreram preconceito por conta da sua orientação sexual no trabalho.

O estudo descobriu ainda que 30% teve influência na escolha da carreira por conta da sexualidade e 35% já desistiu da determinada vaga de trabalho em alguma companhia pelo mesmo motivo. "Para se ter uma noção, 1 a cada 3 jovens disse que a sexualidade influência na escolha da carreira. Histórias desse tipo, mesmo que não vivenciadas pessoalmente, ajudam a criar a insegurança nos mais jovens", comenta Santa Cruz.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na visão das empresas, a pesquisa mostrou que em apenas 54% delas a postura era favorável à diversidade. "Quase metade das companhias não são favoráveis à diversidade sexual e de gênero, questões que não influenciam de maneira alguma no desempenho do profissional. Deste modo, se a empresa toma uma atitude contra qualquer tipo de sexualidade, ou por vezes mantém uma postura neutra, isso ajuda a esconder os preconceitos nos funcionários e não permite que sejam quebradas as 'barreiras' sociais", aponta o executivo.

Daniel considera que o próximo passo é estabelecer condutas de melhoria cada vez mais claras e fundamentadas, tornando o respeito à diversidade mais amplo e tangível em toda a sociedade e no mercado de trabalho.

"Embora seja um tema cada vez mais recorrente ano a ano, pouco se fala sobre as atitudes reais para melhorar o relacionamento de todos. Por isso, é necessário orientar melhor os jovens na vida e profissionalmente, ajudando a desmistificar estes preconceitos". Para ele, desta maneira será possível chegar mais perto do principal objetivo dessas reflexões: a busca do respeito mutuo entre LGBTs e, principalmente, de quem não é.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email