"Livro das Suspeições", que demonstra a parcialidade de Sérgio Moro, terá versão impressa e será distribuído para juízes

A versão digital do livro publicado pelo Grupo Prerrogativas já teve 518 mil downloads. A entidade espera que isso ajude o STF a reconhecer a suspeição do ex-juiz da Lava Jato ao condenar Lula

Ministro da Justiça Sérgio Moro
Ministro da Justiça Sérgio Moro (Foto: Lula Marques)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O “Livro das Suspeições”, que aponta parcialidade de Sergio Moro na Lava Jato, terá uma edição impressa com mil exemplares, que serão distribuídos para universidades, bibliotecas e tribunais superiores.

A versão digital do livro, publicado pelo Grupo Prerrogativas, já teve 518 mil downloads. A entidade espera que isso ajude o STF a reconhecer a suspeição do ex-juiz ao condenar Lula.

A obra reúne artigos escritos por 34 juristas, nos quais as ações do então juiz Sérgio Moro e dos procuradores do Ministério Público Federal (MPF) que atuaram na força-tarefa são examinadas, tendo como resultado a evidenciação da atuação parcial dos agentes públicos em diversos momentos da operação.

A publicação é organizada pelos juristas Lenio Streck e Marco Aurélio de Carvalho, que também integram a Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD). 

Streck ressalta que uma das propostas da disponibilização do conteúdo, que pode ser baixado gratuitamente, é levar os bastidores da Lava Jato para além da comunidade jurídica e informar que “todos temos direito a juízes imparciais, e Moro não foi imparcial”.

Leia o livro abaixo, ou baixe o arquivo neste link.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247