Luta interna no Planalto: General Ramos diz que acordo com Congresso teve aval de Bolsonaro e Guedes

Acusado por outros membros do governo de ter feito acordos com o Congresso sobre o orçamento impositivo o ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, disse que só fez negociações com o aval de Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes

General Luiz Eduardo Ramos e General Augusto Heleno
General Luiz Eduardo Ramos e General Augusto Heleno (Foto: Alan Santos/PR | Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em entrevista ao Estado de S.Paulo, o general Ramos disse que, desde o início, a negociação com o Congresso contou com o aval do titular do Planalto e o ministro da Economia. 

“Em nenhum momento, sentei à mesa sem autorização do presidente ou sem o conhecimento do ministro Paulo Guedes. Não tem nada embaixo de panos e conchavos”, disse o general.

Colegas que compõem o primeiro escalão do governo questionam a atuação de Ramos, dizendo que o ministro, para se cacifar como articulador e se aproximar dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (AP), ambos do DEM, cedeu às reivindicações do Parlamento e prejudicou o governo,, informa o jornal.

Durante a semana, Bolsonaro e Guedes se envolveram em polêmicas sobre o orçamento impositivo, e o general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional, ameaçou a instituição parlamentar, depois de acusar deputados e senadores de chantagearem o governo. Heleno ainda instou Bolsonaro a convocar o povo às ruas contra o Poder Legislativo. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247