Mais uma asneira: Ernesto Araújo diz que Brasil precisa formar aliança para barrar 'tecno-totalitarismo' chinês

O chanceler defendeu a criação de uma aliança global de países democráticos contra países com "diferentes modelos de sociedade"

Ernesto Araújo
Ernesto Araújo (Foto: Marcos Correa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O chanceler Ernesto Araújo, dono de incontáveis declarações lunáticas, disse que o Brasil, junto com os Estados Unidos, deve integrar uma aliança de "parceiros democráticos" para barrar a ascensão de um "tecno-totalitarismo" chinês, seja lá o que isso signifique. 

Araújo não acusou a China diretamente, mas deu a entender a referência quando disse que a aliança atuaria contra países com "modelos de sociedade diferente".

"Um desafio é emergência do tecno-totalitarismo. Não se trata da questão de EUA contra China, mas é uma questão de diferentes modelos de sociedade. Novas tecnologias podem ser ótimas para a democracia, mas podem fornecer meios para um Estado totalitário, e não queremos isso", disse.

As declarações foram feitas durante sua fala no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça. Enquanto seus colegas diplomatas debatiam a questão da vacina, Araújo preferiu alimentar a ideologia bolsonarista. 

A China é o maior parceiro comercial do Brasil e sua vacina, a CoronaVac, uma das únicas esperanças dos brasileiros. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email