Malafaia é profeta do ódio

O deus que Silas Malafaia prega é um deus do ódio, do preconceito e da segregação. Esse deus, assim como o pastor, não devem ser louvados, e sim postos no limbo

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Entre as maiores polêmicas da semana está a entrevista do pastor Silas Malafaia à Marília Gabriela. De sua pretensa fortuna divulgada na revista Forbes, dízimos, participação na política e sua definição do que é homossexualidade.

Durante os 45 minutos de entrevista, o que se vê é um profeta do ódio. Ódio a tudo que vai de encontro à sua interpretação da Bíblia.

É bem verdade que também existe preconceito contra evangélicos e religiosos de forma geral. Mas também é fato que boa parte dos pastores (padres também) alimenta ódio religioso e todo o tipo de preconceito. Tudo envolto num discurso que parece ter sido elaborado na Idade Média.

Com o argumento de que "ninguém nasce gay", Malafaia prolifera uma "guerra santa" contra homossexuais. O mesmo raciocínio de argumento vale sobre a fé. Ninguém nasce cristão – seja católico ou evangélico – budista, mulçumano ou portador de qualquer outra crença.

Sobre a baboseira dita por Malafaia sobre nascer gay, o geneticista Eli Vieira Cambridge, no Reino Unido, desconstruiu cada argumento do pastor em um vídeo lançado no Youtube – clique aqui

Malafaia ainda faz um malabarismo argumentativo com a Constituição para justificar a agressão a homossexuais. Violência verbal, preconceito não são liberdade de expressão. É crime!

A deturpação da História da humanidade é algo sem comparação. Parece um "resumão" dos editoriais dos "jornalões" se estes escrevem para todo o planeta e desde o início dos tempos.

Malafaia ainda tem o disparate de acusar o islamismo de "radicalismo horroroso".

Sobre a participação política de evangélicos, ele usa o ateísmo como justificativa para ação antilaicidade do Estado. Estado laico não é Estado ateu. Ateísmo nem é religião. "Se ateus podem atuar na política, evangélicos também podem", afirmou o pastor.

É verdade, todos podem e devem atuar na política. Mas não podem querer construir um Estado teocrático. Sob qualquer vertente religiosa. Essa é a prática da bancada evangélica no Congresso. E a influência da religião atrapalha e desvirtua debates como a legalização do aborto no Brasil e a união civil entre pessoas do mesmo sexo.

Para piorar a "guerra santa" contra o que eles chamam de heresia, estão entrando com força nos meios de comunicação. Burlando inclusive, concessões já dadas. O Canal 21 da Bandeirantes é o melhor exemplo. 22 horas de seu horário é sublocado à Igreja Mundial que segundo a Folha de São Paulo comprou a CNT e o próprio Canal 21.

O próprio Malafaia detém um espaço pago em canais de televisão no Brasil.

Não existem programas de TV do Candomblé ou Umbanda; ou islamismo, ou judaísmo. Se bem que a Globo é judaico-cristã. Não no sentido filosófico e sim atendendo aos interesses dos judeus de Israel e a Igreja Católica.

Se a pregação em massa de valores religiosos, quaisquer que sejam eles, quaisquer que sejam as religiões, através de concessões públicas, não for uma transgressão ao caráter laico do Estado brasileiro, nada mais é.

As pessoas têm o direito de ter e cultivar uma religião e isso é ponto pacifico, mas o Estado é para todos, independentemente da fé. E isso só se garante com o laicismo do Estado.

O deus que Malafaia prega é um deus do ódio, do preconceito e da segregação. Esse deus, assim como Malafaia, não devem ser louvados, e sim postos no limbo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247