Manifestações antidemocráticas são organizadas por parlamentares, um ministro, militares reformados e ativistas

Parlamentares, um ministro e membros de organizações de extrema-direita organizam com frequência manifestações antidemocráticas em Brasília para pregar a derrubada dos Poderes Legislativo e Judiciário

(Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - As manifestações em Brasília realizadas na Praça dos Três Poderes, carreatas e acampamentos na Esplanada dos Ministérios promovem ataques ao Congresso Nacional e ao Supremo Tribunal Federal (STF). Com comportamento agressivo, esses manifestantes atacam jornalistas e profissionais de saúde.  Aparecem com frequência portando bandeiras dos Estados Unidos e de Israel e têm contado com o apoio de Jair Bolsonaro. 

Essas manifestações têm contado também com a participação de parlamentares, membros do governo e ativistas de organizações que divulgam os movimentos por meio das redes sociais.

Uma das organizações que divulgam essas manifestações antidemocráticas e anticonstitucionais é a Organização Nacional dos Movimentos (ONM), criada em meados do ano passado, informam os jornalistas Bernardo Mello e Guilherme Caetano no Globo. Um dos responsáveis pela convocação do chamado “Acampamento Patriota” foi Renan da Silva Sena.

Sena atuava como funcionário terceirizado do Ministério da Mulher e dos Direitos Humanos até a última segunda-feira, quando foi exonerado. "No fim de abril, ele gravou vídeos de divulgação do acampamento ao lado da empresária Marluce Carvalho, de Palmas (TO). Sena e Marluce foram citados em boletins de ocorrência como agressores de um grupo de enfermeiros que se manifestavam, no Dia do Trabalho, perto do local de concentração dos militantes bolsonarista", diz a reportagem o jornal.

Também é notória a presença do grupo chamado “300 pelo Brasil”, criado em abril pela ativista Sara Winter, que prega a violência. Ela chegou a ser coordenadora de Atenção Integral à Gestante na pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos, de Damares Alves.

A reportagem cita políticos e militantes envolvidos nos atos antidemocráticos, destacando a presença do ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, deputado Cabo Junio Amaral (PSL-MG), deputada Bia Kicis (PSL-DF), a deputada federal Caroline de Toni (PSL-SC), entre outros. Há também entre os organizadores das manifestações de extrema-direita militares reformados. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247