Marco Aurélio rebate Bolsonaro sobre crítica à urna eletrônica

Ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello, que já presidiu o TSE, não vê com "bons olhos" alguém que lance suspeitas de fraude sobre a urna eletrônica; "O que ele receia? Se ele se apresenta na ponta, deve haver um móvel (motivo) para essa colocação de dúvida de um sistema da própria instituição do voto eletrônico", rebateu

Marco Aurélio rebate Bolsonaro sobre crítica à urna eletrônica
Marco Aurélio rebate Bolsonaro sobre crítica à urna eletrônica (Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello, que já presidiu o Tribunal Superior Eleitoral, não vê com "bons olhos" alguém que lance suspeitas de fraude sobre a urna eletrônica. A declaração foi feita nesta quarta-feira 19 em contraponto ao que disse o candidato Jair Bolsonaro (PSL) em um vídeo do hospital, quando declarou que as eleições de outubro podem resultar em uma “fraude” por causa da ausência do voto impresso.

"Presidi (no TSE) as primeiras eleições com o sistema eletrônico, em 1996, e de lá para cá não tivemos uma impugnação minimamente séria quanto à apuração dos votos", afirmou o ministro, segundo reportagem do Estado de S.Paulo. "O que ele receia? Se ele se apresenta na ponta, deve haver um móvel (motivo) para essa colocação de dúvida de um sistema da própria instituição do voto eletrônico", completou.

A ministra Rosa Weber também já rebateu as críticas do deputado e candidato à presidência, que está internado. "Temos 22 anos de utilização de urnas eletrônicas. Não há nenhum caso de fraude comprovado. As pessoas são livres para expressar a própria opinião, mas quando essa opinião é desconectada da realidade, nós temos que buscar os dados da realidade. Para mim, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, as urnas são absolutamente confiáveis", declarou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247