Marco Aurélio usou lei de Sérgio Moro, sancionada por Bolsonaro, para libertar chefe do PCC

Artigo do projeto anticrime estabelece que, a cada 90 dias, as prisões preventivas devem ser revisadas "sob pena de tornar a prisão ilegal"

Jair Bolsonaro e Sergio Moro
Jair Bolsonaro e Sergio Moro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Revista Fórum - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, utilizou o artigo 316 do pacote anticrime do ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, para libertar o líder do PCC André de Oliveira Macedo, conhecido como André do Rap. O chefe do grupo, no entanto, sumiu após o presidente da Corte, Luiz Fux, suspender a decisão de Marco Aurélio e determinar o retorno imediato à prisão.

O artigo foi aprovado em dezembro do ano passado pelo Congresso e orienta que, a cada 90 dias, as prisões preventivas devem ser revisadas “sob pena de tornar a prisão ilegal”. Texto foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Marco Aurélio criticou a decisão de Fux, dizendo que ato “descredita” a Corte para agradar a população em “busca desenfreada por justiçamento”. “Eu não posso partir para o subjetivismo e critérios de plantão. A minha atuação é vinculada ao direito aprovado pelo Congresso Nacional: ali está a essência do Judiciário”, diz, em entrevista ao UOL.

Continue lendo na Fórum

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247