Marina corrige senador na CPI das ONGs que falou em "caixa-preta": "expressão pejorativa" (vídeo)

Ministra interrompeu senador Plínio Valério e insinuou suposta conotação racista em fala que afirmava que a CPI conseguiu "abrir a caixa-preta" das ONGs no Brasil

Marina
Marina (Foto: Lula Marques/ Agência Brasil)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - Uma fala da ministra Marina Silva, do Meio Ambiente, durante a CPI das ONGs gerou repercussões na mídia e nas redes sociais nas últimas horas, por ter levantado um debate acerca de um suposto racismo no uso do termo "caixa-preta".

Tudo começou durante o encerramento de uma fala na sessão da CPI desta terça-feira (28), quando o senador Plínio Valério afirmou que a referida comissão "não é igual às outras" pois teria conseguido "abrir a caixa-preta" das ONGs no Brasil. Neste momento, a ministra interrompeu a fala do senador e disse: “caixa-preta não, senador. Isso é uma forma pejorativa de se dirigir às pessoas pretas. Preta sou eu, que estou aqui do seu lado". Valério, então, corrigiu sua própria frase, alterando-a para "caixa de pandora".

continua após o anúncio

O termo "caixa-preta" vem da aviação e se refere a um dos dispositivos instalados nas aeronaves para registrar diálogos e informações que podem ser úteis às investigações de perícia em caso de acidentes aéreos. A expressão foi apropriada pela política e passou a ser usada em contextos de investigações de informações sigilosas acerca de temas controversos de algum governo ou entidade privada.

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247