Marina critica ‘manipulação’ política da causa indígena

“Quando vejo os caciques políticos chamando os índios para aparecer na foto, lamento, pois vejo a repetição neurótica sob a gesticulação nervosa que oculta a ausência do gesto. Quando vejo a altivez indígena recusando a manipulação, alegro-me com a força moral e ética de sua causa traduzida em ato”, disse a ex-senadora e presidenciável pelo Rede Sustentabilidade

Marina critica ‘manipulação’ política da causa indígena
Marina critica ‘manipulação’ política da causa indígena (Foto: Kiko Sierich/Futura Press/Folhap)

247 – A ex-senadora Marina Silva e presidenciável pelo Rede Sustentabilidade critica o governo por tentar manipular a causa indígena. Leia o artigo publicado na Folha:

Os sem-gesto

Numa reunião simbólica, representantes dos povos indígenas foram, finalmente, após mais de dois anos de espera, recebidos pela presidente Dilma. Como nas pinturas que retratam momentos históricos (a primeira missa, o grito do Ipiranga e outras que ilustram os livros escolares), as imagens que o governo apressa-se em produzir são arrumadas, e seus personagens, distribuídos nos lugares que lhes cabe.

"Só que não", como dizem os mais jovens nas redes sociais. Sabendo que, naquele exato momento, seus direitos estavam sendo ameaçados em manobras no Congresso, os índios não se deixaram enganar e expuseram sua insatisfação na carta que divulgaram em seguida. Não podem esquecer o genocídio que sofrem no chão que um dia foi seu.

De todo modo, permanece o simbolismo: a civilização "Matrix" está tão descolada do mundo real que não consegue passar da gesticulação ao gesto, da representação à presença. Ainda assim, esforça-se para produzir ao menos a impressão de que está respondendo às demandas da população.

Afinal, é disso que se trata, da presença desse novo personagem que tem forma de multidão e é polifônico, multicêntrico, imprevisível.

Tudo se faz para ele: audiências, reuniões, aceleração de processos e votações, decisões sobre assuntos encalhados há vários anos.

O povo nas ruas destravou o Brasil. Além das conquistas imediatas, como no preço das passagens, o novo e indefinível personagem forneceu uma "licença política" até para antigas organizações voltarem às ruas com suas cores, símbolos e pauta de reivindicações.

Como em todos os momentos em que novos "espectros" rondam o mundo conhecido, há nele muitas reações: segurar as rédeas com mais força, nostalgia de quem passou de protagonista a figurante, histeria de quem se sente ameaçado, esperança de quem ainda crê na renovação das estruturas, oportunismos variados.

Mas há uma diferença: hoje, são poucos os entes políticos capazes de metabolizar a força tornada presente, pois a estagnação já atinge muitos grupos e em grau avançado.

Tenho a esperança de que, no Brasil, consigamos viver a transição civilizatória --que já se iniciou-- com alternativas menos conflituosas que levem mais à renovação do que à ruptura, embora saiba que uma combinação de ambas é inevitável e necessária.

Quando vejo os caciques políticos chamando os índios para aparecer na foto, lamento, pois vejo a repetição neurótica sob a gesticulação nervosa que oculta a ausência do gesto. Quando vejo a altivez indígena recusando a manipulação, alegro-me com a força moral e ética de sua causa traduzida em ato.

O movimento oceânico que nos ronda pode parecer inconsciente para alguns, mas é consciente para si mesmo.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247