Mercadante: ataque de Bolsonaro a Paulo Freire é grosseria inaceitável e quebra de decoro

"Bolsonaro agrediu um brasileiro que é referência mundial no processo de alfabetização de jovens e adultos a partir da construção da pedagogia libertadora", diz o ex-ministro Aloizio Mercadante em relação ao ataque de Jair Bolsonaro a Paulo Freire. Nesta segunda, Bolsonaro chamou o intelectual de "energúmeno"

Aloizio Mercadante, Paulo Freire e Jair Bolsonaro
Aloizio Mercadante, Paulo Freire e Jair Bolsonaro (Foto: MEC | Reprodução | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-ministro da Educação Aloizio Mercadante respondeu, em nota, ao ataque de Jair Bolsonaro ao intelectual brasileiro mais premiado e respeitado no mundo, Paulo Freire. Nesta segunda-feira (16), Bolsonaro chamou Paulo Freire de "energúmeno", o que foi classificado por Mercadante como quebra de decoro.

"Paulo Freire já entrou para a história. É o autor brasileiro mais citado internacionalmente em trabalhos acadêmicos das ciências humanas e o segundo brasileiro mais agraciado com títulos  de doutor honoris causa.  Paulo Freire está eternizado na obra Efter Badet, junto com outras seis personalidades consideradas mundialmente relevantes na década de 70.  Há, em muitos países do mundo, diversos centros que homenageiam Paulo Freire. Na Finlândia, há um dedicado a 'discutir seu legado para tornar o mundo mais igual e justo para todos'", escreveu Mercadante.

O ex-ministro lembra que Jair Bolsonaro ataca Paulo Freire no mesmo dia em que a ONU condena seu governo pela violação de tratados internacionais sobre tortura. "É simbólico que Bolsonaro ataque Paulo Freire exatamente no dia em que essa condenação na ONU se torna pública. Afinal, Paulo Freire foi perseguido pela ditadura militar, que exilou, torturou, censurou e amordaçou a democracia brasileira. Já Bolsonaro flerta cotidianamente com o autoritarismo, com a intolerância e com o ataque ao Estado de Direito e todos os valores civilizatórios que ele representa".

A nota do ex-ministro também marca a pequenez de Bolsonaro e de seu governo diante do que construiu Paulo Freire. "Sobre Bolsonaro, o que temos é percepção generalizada de que está em curso uma tragédia na  democracia, nos direitos humanos e, especialmente, na educação brasileira".

Leia a nota na íntegra:

Depois de ser condenado por comitê das Organizações das Nações Unidas (ONU) por violar tratados internacionais sobre tortura, Bolsonaro volta a vilipendiar a memória e a obra de Paulo Freire, um intelectual brilhante, que dedicou sua vida à educação. Bolsonaro agrediu um brasileiro que é referência mundial no processo de alfabetização de jovens e adultos a partir da construção da pedagogia libertadora.

Essa é mais uma grosseria inaceitável, que não condiz com o decoro do cargo de presidente. Como habitual, é mais uma tentativa de Bolsonaro de mudar a pauta em razão de mais um vexame internacional, que seu governo submete o país.

É simbólico que Bolsonaro ataque Paulo Freire exatamente no dia em que essa condenação na ONU se torna pública. Afinal, Paulo Freire foi perseguido pela ditadura militar, que exilou, torturou, censurou e amordaçou a democracia brasileira. Já Bolsonaro flerta cotidianamente com o autoritarismo, com a intolerância e com o ataque ao Estado de Direito e todos os valores civilizatórios que ele representa.

Paulo Freire já entrou para a história. É o autor brasileiro mais citado internacionalmente em trabalhos acadêmicos das ciências humanas e o segundo brasileiro mais agraciado com títulos  de doutor honoris causa.  Paulo Freire está eternizado na obra Efter Badet, junto com outras seis personalidades consideradas mundialmente relevantes na década de 70.  Há, em muitos países do mundo, diversos centros que homenageiam Paulo Freire. Na Finlândia, há um dedicado a "discutir seu legado para tornar o mundo mais igual e justo para todos".

Sobre Bolsonaro, o que temos é percepção generalizada de que está em curso uma tragédia na democracia, nos direitos humanos e, especialmente, na educação brasileira. O que acontece é que, com Bolsonaro, o Ministério da Educação passou a ocupar os noticiários pela divulgação de notícias falsas, pelo ataque à educação pública e universal e pelos graves retrocessos obscurantistas.

Aloizio Mercadante, ex-ministro da Educação.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247