Mercadante: jamais tentei impedir delação de Delcidio

Parte da imprensa publicou nesta quarta (4) que o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, seria investigado no inquérito oculto da Procuradoria Geral da República, assim como a presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula, o ministro-chefe da Advocacia Geral da União, José Eduardo Cardozo, por tentativa de obstrução da Justiça; ao 247, Mercadante disse desconhecer a informação e encaminhou nota de esclarecimento; ele diz ter tomado uma iniciativa de caráter eminentemente pessoal e política de solidariedade em relação à família do senador Delcídio Amaral que foi alvo de uma campanha difamatória na internet, após a sua prisão; "Jamais tentei impedir a delação do senador Delcídio. Lamentavelmente, trechos essenciais das gravações foram omitidos por grande parte da imprensa", afirma

Parte da imprensa publicou nesta quarta (4) que o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, seria investigado no inquérito oculto da Procuradoria Geral da República, assim como a presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula, o ministro-chefe da Advocacia Geral da União, José Eduardo Cardozo, por tentativa de obstrução da Justiça; ao 247, Mercadante disse desconhecer a informação e encaminhou nota de esclarecimento; ele diz ter tomado uma iniciativa de caráter eminentemente pessoal e política de solidariedade em relação à família do senador Delcídio Amaral que foi alvo de uma campanha difamatória na internet, após a sua prisão; "Jamais tentei impedir a delação do senador Delcídio. Lamentavelmente, trechos essenciais das gravações foram omitidos por grande parte da imprensa", afirma
Parte da imprensa publicou nesta quarta (4) que o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, seria investigado no inquérito oculto da Procuradoria Geral da República, assim como a presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula, o ministro-chefe da Advocacia Geral da União, José Eduardo Cardozo, por tentativa de obstrução da Justiça; ao 247, Mercadante disse desconhecer a informação e encaminhou nota de esclarecimento; ele diz ter tomado uma iniciativa de caráter eminentemente pessoal e política de solidariedade em relação à família do senador Delcídio Amaral que foi alvo de uma campanha difamatória na internet, após a sua prisão; "Jamais tentei impedir a delação do senador Delcídio. Lamentavelmente, trechos essenciais das gravações foram omitidos por grande parte da imprensa", afirma (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Parte da imprensa publicou nesta quarta-feira (4) que o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, seria investigado no inquérito oculto da Procuradoria Geral da República, assim como a presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula, o ministro-chefe da Advocacia Geral da União, José Eduardo Cardozo, por tentativa de obstrução da Justiça.

Ao 247, Mercadante disse desconhecer a informação e encaminhou nota de esclarecimento.

Veja a íntegra da nota:

O Ministro Aloizio Mercadante informa que desconhece a informação de sua suposta inclusão em um inquérito OCULTO da Procuradoria-Geral da República - PGR ao Supremo Tribunal Federal - STF, mas gostaria de reafirmar os seguintes pontos:

Tomou uma iniciativa de caráter eminentemente pessoal e política de solidariedade, especialmente em relação à família do senador Delcídio que foi alvo de uma campanha difamatória na internet, após a sua prisão;

Jamais tentou impedir a delação do senador Delcídio do Amaral. Lamentavelmente, trechos essenciais das gravações foram omitidos por grande parte da imprensa.

“Se ele tá ameaçando a delação...mesmo que ele queira fazer. Eu não vou entrar nisso. A decisão é dele. É um direito dele, ele faz o que achar que deve.” (Trecho contido no áudio divulgado pela Veja, mas não transcrito pela imprensa).

“Mas é o seguinte, eu não tenho nada a ver... o Delcídio...zero... não tô nem aí se vai delatar, não vai delatar, não tô nem aí...” (Trecho Publicado pela Veja)

Deixou claro que não se envolveria na defesa do senador Delcídio do Amaral no processo judicial e defendeu que qualquer procedimento de defesa deveria ser feito dentro da mais absoluta legalidade, transparência e consistência. Segue mais um trecho omitido:

“Só dar pra fazer coisa na legalidade, com transparência, com consistência, porque senão não vai prosperar...” (Trecho contido no áudio divulgado pela Veja, mas não transcrito pela imprensa).

Jamais intercedeu junto a qualquer autoridade do Poder Judiciário, Ministério Público ou Senado Federal pelo senador Delcídio do Amaral. A menção às autoridades foi no contexto, a partir de sua experiência como ex-senador, da defesa de Delcídio construir uma tese que ensejasse uma nova manifestação do Senado acerca da continuidade da prisão. A transcrição da gravação abaixo deixa evidente essa afirmação:

“Eu não vou me meter na defesa dele. Não sou advogado, não tenho o que fazer, não sei do que se trata, não conheço o que foi feito”.

Nunca buscou obter qualquer vantagem pessoal junto ao Senador Decídio do Amaral. Tanto é que foi firmado por Delcídio termos de colaboração com a PGR, nos quais não há uma única acusação contra o ministro Mercadante apesar de terem trabalhado juntos no Senado e no Governo por 14 anos.

Por fim, o Ministro informa que já se colocou à disposição da PGR, do STF e do Congresso Nacional para prestar todos os esclarecimentos necessários, embora não tenha tido acesso à integralidade das gravações entregues à PGR pelo Sr. Eduardo Marzagão, gravações essas que foram divulgadas de forma parcial e editada, o que prejudica o direito de defesa do ministro.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247