Mesmo após provas de seus crimes e abusos, Dallagnol rejeita autocrítica

Deltan Dallagnol, em entrevista à Folha de S.Paulo, disse que o contato que mantinha com o então juiz Sergio Moro era comparável ao relacionamento de advogados com ministros de cortes superiores e negou que tenha havido conluio para prender o ex-presidente Lula

Deltan Dallagnol
Deltan Dallagnol (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Apesar das provas revelando seus crimes e abusos quando era coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol busca apresentar uma narrativa diferente para justificar a desmoralização dos lavajatistas.

Segundo o procurador, em entrevista à Folha de S.Paulo, a dissolução da força-tarefa da Lava Jato de Curitiba ocorreu por conta de uma reação política contra a operação. Ele partidos e políticos alvos da operação paulatinamente recuperaram o espaço perdido e que, como resultado, há “uma certa apatia ou mesmo cinismo” no país hoje.

Ele também disse que o contato que mantinha com o então juiz Sergio Moro era comparável ao relacionamento de advogados com ministros de cortes superiores e negou que tenha havido conluio para prender o ex-presidente Lula.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email