Militares entrarão na reforma da previdência, diz secretário subordinado a Guedes

Em um dos típicos anúncios que precedem recuos posteriores, o governo Bolsonaro encena um 'martelo batido' e afirma que as novas regras da previdência valerão para todos os segmentos, inclusive para os militares; o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, disse, com todas as letras, que nenhum segmento da sociedade, inclusive a ala militar, será poupado na reforma das regras de aposentadoria

Militares entrarão na reforma da previdência, diz secretário subordinado a Guedes
Militares entrarão na reforma da previdência, diz secretário subordinado a Guedes
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em um dos típicos anúncios que precedem recuos posteriores, o governo Bolsonaro encena um 'martelo batido' e afirma que as novas regras da previdência valerão para todos os segmentos, inclusive para os militares. O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, disse, com todas as letras, que nenhum segmento da sociedade, inclusive a ala militar, será poupado na reforma das regras de aposentadoria.

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca que "ele [Marinho] espera que a proposta seja aprovada pela Câmara e pelo Senado até meados de julho. 'Uma outra determinação do nosso presidente [Jair Bolsonaro] foi que todos têm que contribuir. Todos têm que contribuir. Esse é o esforço de salvarmos o sistema previdenciário e apresentarmos uma nova Previdência no Brasil. Então a responsabilidade é de todos. Todos os segmentos têm que dar sua contribuição nesse processo', afirmou a uma plateia de parlamentares."

O secretário ainda disse: "ninguém vai ficar de fora. O governo vai apresentar um projeto que vai levar em consideração todos os segmentos da sociedade brasileira (...) Ele [Bolsonaro] falou em Davos uma frase que era bom lembrar: o governo se faz com exemplo; se dá exemplo quando se lidera. Então é evidente que ele está sinalizando que os militares vão entrar no processo. Isso está sendo dito pelos vários líderes do Exército, das Forças Armadas."

A matéria ainda aponta que "Marinho espera que o governo consiga aprovar a proposta de mudanças nas regras de aposentadorias na Câmara e no Senado até meados de julho, quando se inicia o recesso parlamentar. Ele reafirmou que o governo pretende aproveitar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência já enviada pelo ex-presidente Michel Temer para acelerar a tramitação. Dessa forma, a proposta em elaboração pelo governo Bolsonaro pode ser votada já pelo plenário da Câmara, sem precisar passar por comissões da Casa."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247