Ministra da Agricultura é atacada por gabinete do ódio por defender negócios com China

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, está queixosa das tropas bolsonaristas de extrema-direita que promovem contra ela uma escalada de ataques a partir do gabinete do ódio instalado no Palácio do Planalto. Ligada ao agronegócio, a ministra é ativa no incremento das relações comerciais com a China, alvo dos bolsonaristas

Carlos e Eduardo Bolsonaro; Ministra Tereza Cristina
Carlos e Eduardo Bolsonaro; Ministra Tereza Cristina (Foto: Reprodução | Antonio Araujo/MAPA)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A ministra da Agricultura, Tereza Cristina tem sido alvo de uma escalada de ataques na internet, que têm origem no gabinete do ódio, o grupo do Palácio do Planalto que dispara impropérios e fakenews contra adversários reais ou imaginários de Jair Bolsonaro. 

Tereza Cristina defende o incremento de negócios do Brasil com a China, alvo dos ataques de Eduardo Bolsonaro e do ministro da Educação, Abraham Weintraub, indica reportagem de O Estado de S.Paulo

A China é a maior importadora de soja do Brasil. No ano passado, foi responsável por 80% das compras do produto e pela entrada de R$ 20 bilhões no setor. Integrantes da Frente Parlamentar da Agricultura, ligada à ministra, dizem que nunca é hora de brigar com a China, muito menos em tempos de pandemia por covid-19. 

A grande preocupação, não só da ministra, mas de toda a agricultura, é que os Estados Unidos entrem no vácuo e se habilitem como principal exportador para a China, tirando mercado brasileiro. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247