Ministros do STF saem em defesa de Moraes contra ataques de Bolsonaro

Jair Bolsonaro chamou a decisão de Alexandre de Moraes de barrar a posse do delegado Alexandre Ramagem como novo diretor-geral da Polícia Federal, de política. Ministros destacaram a carreira acadêmica de Moraes e lembraram a independência dos poderes

Alexandre de Moraes, Jair Bolsonaro e Alexandre Ramagem
Alexandre de Moraes, Jair Bolsonaro e Alexandre Ramagem (Foto: STF | Valter Campanato/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes foi defendido pelos colegas da corte Luís Roberto Barroso e Gilmar Mendes dos ataques feitos na manhã desta quinta-feira pelo presidente Jair Bolsonaro, que chamou a decisão dele de barrar a posse do delegado Alexandre Ramagem como novo diretor-geral da Polícia Federal de política.

“O ministro Alexandre de Moraes chegou ao Supremo Tribunal Federal após sólida carreira acadêmica e de haver ocupado cargos públicos relevantes, sempre com competência e integridade. No Supremo, sua atuação tem se marcado pelo conhecimento técnico e pela independência. Sentimo-nos honrados em tê-lo aqui”, disse Barroso, em declaração distribuída por sua assessoria.

Em uma rede social, Gilmar Mendes disse que as decisões judiciais podem ser criticadas e são suscetíveis de recurso, enquanto mecanismo de controle.

"O que não se aceita --e se revela ilegítima-- é a censura personalista aos membros do Judiciário. Ao lado da independência, a Constituição consagra a harmonia entre Poderes", afirmou, sem citar nominalmente Moraes nem Bolsonaro.

Na véspera, Mendes esteve na posse dos novos ministros da Justiça, André Mendonça, e da Advocacia-Geral da União, José Levi Mello, ocasião em que Bolsonaro já tinha reclamado de não ter conseguido empossar Ramagem após decisão de Moraes.

O presidente do STF, Dias Toffoli, outro presente na solenidade de posse da véspera, não se manifestou sobre a fala de Bolsonaro.

Nesta manhã, o presidente rebateu o argumento de que a indicação violava o princípio da impessoalidade --justificativa para o ministro do Supremo barrar a posse de Ramagem-- ao dizer que Moraes só chegou à corte graças à amizade com ex-presidente Michel Temer, que o indicou ao STF.

Moraes foi ministro da Justiça do governo Temer antes de ser indicado por ele para uma cadeira no Supremo. Ao contrário da nomeação de um diretor-geral da PF, que é imediatamente concretizada, a indicação de um presidente para uma cadeira no Supremo depende da aprovação da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e do plenário da Casa, após a CCJ fazer uma sabatina com o indicado.

Em nota, sem citar Bolsonaro, a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) divulgou nota de "total repúdio" às últimas declarações de autoridades públicas contra a decisão de Moraes.

"O Poder Judiciário é um dos Poderes da República, e é inadmissível que uma autoridade pública não reconheça esse princípio basilar ou queira se sobrepor a essa realidade constitucional", afirmou.

A entidade disse que o direito à livre manifestação está previsto na Constituição e é "aceitável que se mostre insatisfação, porém jamais este descontentamento pode gerar agressões e ofensas".

"Esses ataques somente demonstram a importância de se ter um Judiciário cada vez mais forte e independente e que exerça sua função de colocar limites constitucionais à atuação de qualquer um dos Poderes, no âmbito do Estado Democrático de Direito", completou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247