Moro, fora do Ministério, confronta Bolsonaro e defende isolamento social

"Há uma incerteza em relação à evolução da pandemia. Cuide-se! Se não puder ficar em casa, tome cautelas ao sair", afirmou o ex-ministro Sérgio Moro no Instagram. A declaração confronta Jair Bolsonaro, que já defendeu a reabertura do comércio e outras atividades, além de ter comparecido a alguns atos de rua, contrariando recomendações de OMS

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Fora do governo Jair Bolsonaro, o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro foi ao Instagram defender o isolamento social, enquanto o seu ex-chefe já pediu a reabertura do comércio e de outras atividades. "Número de mortos vítimas do coronavírus no Brasil cresce de forma expressiva, infelizmente. Passamos de cinco mil mortos. Há uma incerteza em relação à evolução da pandemia. Cuide-se! Se não puder ficar em casa, tome cautelas ao sair", escreveu o ex-juiz.

De acordo com o site do governo disponibilizado para atualizações sobre o coronavírus, o Brasil tem pelo menos 78,1 mil confirmações e 5,4 mil óbitos por conta da covid-19. É o 11° no ranking mundial entre as nações com os maiores números de casos. 

Moro não respondeu a Bolsonaro, que desafiou ex-ministro a apresentar provas sobre as denúncias de que estava interferindo no trabalho da Polícia Federal. Em coletiva de imprensa, na última sexta-feira (24), Moro apontou crime de responsabilidade do seu então chefe na política. "O presidente me relatou que queria ter uma indicação pessoal dele para ter informações pessoais. E isso não é função da PF", disse. 

Na manhã desta sexta-feira (30), Bolsonaro desafiou Moro: "A questão de interferência, quero deixar bem claro, senhor Sérgio Moro, o ônus da prova cabe a quem acusa. Nenhum superintendente foi trocado. Eu sugeri duas [trocas] em superintendência. Ele não aceitou. Passou a ser o dono de tudo e não aceitava qualquer sugestão".

De acordo com Bolsonaro, ninguém nega o trabalho de Moro frente à Lava Jato, "mas como ministro deixou a desejar". "Até privilegiando o pessoal que estava no Paraná, sem querer desmerecê-los".

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247