Moro não pode repatriar, deportar ou expulsar Glenn, diz professor da FGV

Para o professor de direito da FGV Thiago Amparo, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, não leu a Lei de Migração que traz ameaças à permanência do jornalista Glenn Greenwald no Brasil; “Min. @SF_Moro NÃO LEU a Lei de Migração (de 2017). O @ggreenwald não pode ser repatriado (não está em impedimento ); não pode ser deportado (não está em situação migratória irregular); nem expulso (pq tem família aqui, Art. 54). Se a Portaria 666 foi feita pra isso, erro completo”, postou no Twitter

(Foto: Reprodução | Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Para o professor de direito da Fundação Getulio Vargas (FGV) Thiago Amparo, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, não leu a Lei de Migração que traz ameaças à permanência do jornalista Glenn Greenwald no Brasil. 

“Min. @SF_Moro NÃO LEU a Lei de Migração (de 2017). O @ggreenwald  não pode ser repatriado (não está em impedimento ); não pode ser deportado (não está em situação migratória irregular); nem expulso (pq tem família aqui, Art. 54). Se a Portaria 666 foi feita pra isso, erro completo”, postou Amparo no Twitter. 

Em outra postagem, Amparo ressalta que a portaria editada por Moro e publicada no Diário Oficial da União (DOU) nesta sexta-feira “viola Lei de Migração. 2o., é prática de governos ditatoriais. 3o., é tão demoníaca que o número é 666/2019. 4o. Gleen possui filhos e marido brasileiros”.

PUBLICIDADE

Confira as postagens de Thiago Amparo sobre o assunto. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email