Moro quer ouvir Renan em processo contra Lula na 1ª quinzena de março

juiz federal Sérgio Moro deu prazo de cinco dias para que o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) escolha quando e como será ouvido como testemunha de defesa no processo contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, envolvendo um apartamento tríplex no Guarujá e o armazenamento do acervo presidencial; Moro sugeriu que Renan opte pelos dias 2, 7 e 15 de março para a audiência que deve acontecer por meio de videoconferência na sede da Justiça Federal em Brasília

Renan Calheiros, Sérgio Moro
Renan Calheiros, Sérgio Moro (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O juiz federal Sérgio Moro deu prazo de cinco dias para que o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) escolha quando e como será ouvido como testemunha de defesa no processo contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva envolvendo um apartamento tríplex no Guarujá e o armazenamento do acervo presidencial. Moro sugeriu que Renan opte pelos dias 2, 7 e 15 de março para a audiência que deve acontecer por meio de videoconferência na sede da Justiça Federal em Brasília.

No processo, o ex-presidente Lula é acusado pelo crime de lavagem de dinheiro, no valor de R$ 1,3 milhão, que teriam sido pagos pela OAS para armazenar o acervo presidencial no período compreendido entre janeiro de 2011 e janeiro de 2016. Segundo os investigadores da Operação Lava Jato, os pagamentos mensais de R$ 21,5 mil feitos á Granero eram provenientes de desvios que teriam sido cometidos pela empreiteira em contratos celebrados junto a Petrobras.

O ministério Público Federal também acusa o ex-presidente de ter se beneficiado com R$ 1,1 milhão em reformas e móveis planejados que teriam sido instalados em um tríplex no Guarujá.

A defesa de Lula nega asa acusações e sustenta que o apartamento nunca pertenceu á família do ex-presidente e que este apenas visitou o imóvel com intenção de compra. Já o armazenamento do acervo presidencial teria sido negociado com o Instituto Lula, como uma espécie de contribuição privada, após ele deixar o governo.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email