Moro recebeu R$ 200 mil por parecer contra a Vale e favorável a bilionário israelense

O ex-ministro e ex-juiz Sergio Moro elaborou um parecer contra a Vale encomendado pelo bilionário israelense Benjamin Steinmetz, investigado por corrupção

www.brasil247.com - Sergio Moro, Benjamin Steinmetz e logo da Vale
Sergio Moro, Benjamin Steinmetz e logo da Vale (Foto: Lula Marques | Reuters)


247 - O ex-juiz declarado parcial pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e pré-candidato à presidência Sergio Moro (Podemos) recebeu cerca de R$ 200 mil por um parecer que emitiu em resposta a uma consulta do empresário israelense Beny Steinmetz, “pivô de um litígio internacional bilionário com a Vale”, informa a Folha de S.Paulo.

O parecer de Moro é contrário aos interesses da mineradora brasileira e favorável aos do israelense e, de acordo com reportagem, “veio a público dias após o ex-juiz federal encerrar a quarentena de seis meses que cumpriu devido à sua participação no governo Jair Bolsonaro, como ministro da Justiça”.

Meses depois do parecer, Moro foi contratado pela consultoria norte-americana Alvarez & Marsal, que administra o processo de recuperação da Odebrecht e outras empresas falidas pela Lava Jato. O ex-juiz parcial é investigado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) por causa disso e, após ser pressionado, disse que divulgará os valores que recebeu nesta sexta-feira, 28.

O parecer contra a Vale

O ex-ministro e ex-juiz Sergio Moro elaborou um parecer contra a Vale encomendado pelo bilionário israelense Benjamin Steinmetz. O magnata, investigado por corrupção, ingressou com uma ação para provar que a mineradora tinha conhecimento dos riscos em um contrato de exploração da mina de Simandou, na Guiné, quando celebrou o acordo com a BSG, uma de suas empresas.

Steinmetz tenta reverter uma decisão do tribunal arbitral em Londres que o condenou a indenizar em US$ 2 bilhões a mineradora Vale, que pagou ao magnata US$ 2,5 bilhões por uma mina de exploração de ferro em Simandou, na Guiné, na África.

Um ano depois da negociação, o presidente eleito Alpha Condé iniciou uma investigação nas concessões minerárias no país que teria detectado que Steinmetz pagou propina em 2008 para o ditador Lansana Conté, um militar que subiu ao poder após um golpe de estado e conduziu a nação por 24 anos.

O caso fez com que a Vale abandonasse o projeto e buscasse reparação por ter sido enganada pelo israelense, que é alvo de investigação por corrupção e lavagem de dinheiro em Israel, Suíça, Estados Unidos e na própria Guiné.

Em seu parecer, Moro acusa executivos da Vale de terem prestado “informações falsas e ocultado fraudulentamente do mercado e de seus acionistas as reais condições do negócio celebrado com a BSGR [empresa de Steinmetz] acerca dos direitos de exploração sobre Simandou e sobre os motivos da rescisão posterior”.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email