Moro vai receber R$ 1,7 milhão de salário na empresa que administra os escombros da Odebrecht

Após a atuação na Lava Jato que destroçou a Odebrecht, uma maiores geradoras de emprego no Brasil, o ex-juiz Sérgio Moro vai ganhar salário de R$ 1,7 milhão por ano na empresa Alvarez & Marsal, que administra a recuperação judicial da empreiteira

Sérgio Moro
Sérgio Moro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O ex-juiz da Lava Jato e ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, receberá um salário milionário para atuar como sócio-diretor da empresa de consultoria Alvarez & Marsal, responsável pela administração judicial da Odebrecht, atingida em cheio pelas da Lava Jato julgadas pelo ex-juiz.

Segundo o colunista Lauro Jardim, Sérgio Moro receberá R$ 1,7 milhão por ano. Este é o valor que recebe um executivo no cargo que será ocupado pelo ex-aliado de Jair Bolsonaro. 

Segundo Jardim, Moro ganhava R$ 410 mil por como juiz, sem os benefícios; e R$ 380 mil como ministro de Bolsonaro, também sem os benefícios indiretos.

PUBLICIDADE

Nesta quarta-feira (2), o Tribunal de Ética e Disciplina da seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil notificou o ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sergio Moro para reiterar que é vedada a prática de atividade privativa da advocacia aos clientes da consultoria Alvarez & Marsal. 

O texto alerta que Moro não pode praticar atividade privativa da advocacia para clientes da A&M, sob pena de adoção de medidas administrativas e judiciais pertinentes.

PUBLICIDADE

 Inscreva-se na TV 247, seja membro, e compartilhe:


PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email