Mourão descarta golpe contra Lula: 'foi eleito'

"Está chegada a hora de as pessoas compreenderem que ele foi eleito e agora tem que governar", disse Hamilton Mourão

www.brasil247.com - Hamilton Mourão e Luiz Inácio Lula da Silva
Hamilton Mourão e Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: ABR)


247 - O vice-presidente, general Hamilton Mourão (Republicanos), descartou a possibilidade de uma intervenção militar no Brasil como solicitado por manifestantes da extrema direita bolsonaristas que não aceitam a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva para a Presidência da República no pleito de outubro. 

“A partir do momento em que a aceitamos participar do jogo com esse jogador, que não poderia participar, tudo poderia acontecer, inclusive ele vencer, conforme venceu. Está chegada a hora de as pessoas compreenderem que ele foi eleito e agora tem que governar”, disse Mourão nesta sexta-feira (2) em entrevista por telefone à Gazeta do Sul

Ainda segundo Mourão, uma intervenção militar “é um movimento que não pode acontecer, porque as consequências para essa mesma população que está na rua protestando seriam terríveis” e “redundariam em sanções contra o nosso país”. 

“É importante que as pessoas compreendam que não temos liberdade de manobra para uma ação fora do que prevê a Constituição. Isso redundaria em sanções contra o nosso país e, consequentemente, desvalorização da nossa moeda e aumento de juros e inflação, uma situação muito difícil”, destacou ele na entrevista. 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247