MP cria força-tarefa para atuar no caso de juíza assassinada

Cinco promotores de Justia trabalharo na 4 Vara Criminal de So Gonalo, onde atuava Patrcia Acioli, morta na semana passada; medida pretende agilizar inqurito



Cinco promotores de Justiça foram designados ontem pela Procuradoria-Geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro para atuar na 4ª Vara Criminal de São Gonçalo (RJ), onde trabalhava a juíza Patrícia Acioli, assassinada na quinta-feira da semana passada. A medida foi adotada como forma de contribuir para que inquérito seja conduzido de forma rápida. Segundo o Ministério Público do Estado, a partir de setembro, outros dois promotores passarão a auxiliar nos processos e audiências da vara.

"A criação de uma força-tarefa integrada por promotores experientes demonstra que o Estado não se intimidará com o atentado contra a vida da juíza. Os julgamentos no Tribunal do Júri de São Gonçalo não vão parar. Pelo contrário, correrão com rapidez ainda maior", disse o procurador-geral Cláudio Soares Lopes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email