MP diz que parentes de Bolsonaro sacavam salário 'na integralidade' para 'repassar'

Parentes de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher de Jair Bolsonaro, e que eram funcionáriois da assessoria de Flávio Biolsonaro, "sacavam quase a integralidade dos salários recebidos na Alerj para repassar os valores em espécie a outros integrantes da organização criminosa", afirma Ministério Público do Rio de Janeiro

Flávio Bolsonaro 
Flávio Bolsonaro  (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Mais uma grave denúncia é revelada nesta quinta-feira (19) contra o clã Bolsonaro.

Na medida cautelar pedida à 27ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, o Ministério Público informou que parentes de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher de Jair Bolsonaro, e que eram registrados como assessores de Flávio Bolsonaro, "sacavam quase a integralidade dos salários recebidos na Alerj para repassar os valores em espécie a outros integrantes da organização criminosa", informa O Globo .

A menção foi feita ao apresentar um dos grupos da "organização criminosa" no gabinete de Flávio na Alerj, na época que ele era deputado estadual no Rio. São dez ex-assessores — sendo nove parentes — que moram em Resende, no Sul do estado.

O grupo era formado pelas pessoas que estavam lotadas no  gabinete de Flávio durante algum período entre 2003 e o ano passado — tempo de seus quatro mandatos como deputado estadual. São eles: José Procópio Valle, ex-sogro de Bolsonaro, Andrea Siqueira Valle, ex-cunhada de Bolsonaro, além dos primos Francisco Diniz, Daniela Gomes, Juliana Vargas e os tios Guilherme dos Santos Hudson e Ana Maria Siqueira Hudson.

O total recebido pelos nove integrantes da família que tiveram o sigílo quebrado é de R$ 4,8 milhões. Desse montante, 83% foi sacado em espécie. Ou seja, pouco mais de R$ 4 milhões.

Dos ex-funcionários do núcleo de Resende, seis deles sacaram em espécie mais de 90% dos salários recebidos, e outros três acima de 70%. O MP também dá indícios de que alguns desses funcionários não davam expediente no gabinete de Flávio.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247