MP: Filha de almirante tinha 'papel ativo' em esquema

Ana Cristina Toniolo comanda a Aratec, empresa que teria intermediado repasses de R$ 4,5 milhões em propina pagas por empreiteiras de Angra3 a seu pai, o ex-presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva, preso desde 28 de julho

Ana Cristina Toniolo comanda a Aratec, empresa que teria intermediado repasses de R$ 4,5 milhões em propina pagas por empreiteiras de Angra3 a seu pai, o ex-presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva, preso desde 28 de julho
Ana Cristina Toniolo comanda a Aratec, empresa que teria intermediado repasses de R$ 4,5 milhões em propina pagas por empreiteiras de Angra3 a seu pai, o ex-presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva, preso desde 28 de julho (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Ministério Público Federal afirmou que Ana Cristina Toniolo tinha ‘um papel ativo’ no esquema de corrupção da Lava Jato. Ela é filha do almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, ex-presidente da Eletronuclear, preso em 28 de julho na Operação Radiotividade. Ele é investigado sob suspeita de ter recebido propinas de R$ 4,5 milhões de empreiteiras contratadas para obras em Angra 3.

O empresário Victor Sérgio Colavitti, novo delator da Lava Jato e dono da Link Projetos e Participações confessou que sua empresa foi usada como intermediaria para repasse de ao menos R$ 765 mil, de 2010 a 2014, entre a empreiteira Engevix e a Aratec Engenharia Consultoria e Representações, do almirante Othon Luiz, comandada por Ana Cristina.

“As declarações do colaborador Victor Sergio Colavitti somadas ao conjunto de provas já constante dos autos, evidenciam plenamente que foram firmados contratos fictícios pela Link Projetos, tanto com a Engevix, tanto com a Aratec, para que fosse proporcionada a passagem de valores da corrupção para Othon Luiz”, destaca a Procuradoria. “Percebe-se, ainda, que a filha de Othon Luiz, sra. Ana Cristina, tinha papel ativo no esquema, seja por meio da confecção de contrato fictício, seja por meio da emissão de notas fiscais frias, seja inclusive, por ter feito cobranças à Link para que fosse efetuado o repasse da propina.”

Leia aqui a reportagem de Fausto Macedo sobre o assunto.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email