MP: Flávio Bolsonaro lavou até R$ 1,6 milhão em loja de chocolate

Segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro, as quantias depositadas em dinheiro vivo na conta da loja eram desproporcionais se comparadas a outras lojas do ramo

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Ministério Público do Rio de Janeiro afirma que o senador Flávio Bolsonaro (sem partido) lavou até R$ 1,6 milhão em sua franquia da loja de chocolates da Kopenhagen.

Segundo o MP, as quantias depositadas na conta da loja eram desproporcionais em comparação a outros estabelecimentos semalhentes. 

Investigadores ainda dizem que os depósitos na conta da loja coincidiam com as datas em que Fabricio Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, recolhia parte dos salários dos empregados do ex-deputado estadual.

O volume lavado na loja de chocolates pode chegar até R$ 1,6 milhão, de acordo com o MP. A estratégia integraria o esquema da "rachadinha" no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247