MP: polícia plantou armas no massacre do Carandiru

O julgamento do Massacre do Carandiru foi retomado no Fórum da Barra Funda, na capital paulista, com os debates entre acusação e defesa. Pela manhã, a promotoria apresentou a tese de que as 13 armas encontradas na Casa de Detenção, que pertenceriam aos presos, teriam sido “plantadas”

MP: polícia plantou armas no massacre do Carandiru
MP: polícia plantou armas no massacre do Carandiru
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Fernanda Cruz
Repórter da Agência Brasil

São Paulo – O julgamento do Massacre do Carandiru foi retomado hoje (20) no Fórum da Barra Funda, na capital paulista, com os debates entre acusação e defesa. Pela manhã, a promotoria apresentou a tese de que as 13 armas encontradas na Casa de Detenção, que pertenceriam aos presos, teriam sido “plantadas”, ou seja, levadas pelos próprios policiais da Rota para justificar a ação, que ocorreu em 1992 e terminou com 111 mortos.

A promotoria alegou que a versão de que os presos teriam atirado contra a Rota “é mentirosa”. “Infelizmente, é hábito os maus policias plantarem armas de fogo em cenas de crime”, disse a acusação. A baixa visibilidade relatada pelos policias, que disseram conseguir enxergar à distância de apenas um metro no momento da entrada no presídio, também foi questionada pelos promotores. "Os policias militares alegam que a visibilidade era mínima. Então, como seria possível encontrar armas e munição no chão?".

A acusação citou também que o relatório da Comissão Oficial do Ministério Público para investigar o caso reforçou a ideia de que as 13 armas de fogo encontradas no local teriam sido “plantadas”. Duas dessas armas foram rastreadas e descobriu-se que o proprietário de um dos revólveres tinha tido sua arma apreendida pela polícia e a outra havia sido comprada pela Exército Brasileiro.

Depois da pausa para o almoço, o julgamento recomeça e a expectativa é que a decisão saia ainda na noite de hoje. Nessa etapa do juri, estão sendo julgados 26 policiais militares acusados de matar 15 presos que ocupavam o segundo pavimento do Pavilhão 9 do Carandiru.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247