MPF propõe ação de improbidade contra Pazuello e acusa ex-ministro de causar prejuízo de R$ 122 milhões por gestão na pandemia

De acordo com o MPF, "a omissão e a negligência" de Eduardo Pazuello no trato das negociações das vacinas "custou caro à sociedade, à saúde da população e ao SUS"

Eduardo Pazuello
Eduardo Pazuello (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O Ministério Público Federal enviou à Justiça, nessa quarta-feira (30), uma ação de improbidade administrativa contra o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello. A ação aponta quase R$122 milhões de dano ao erário. De acordo com o MPF, "a omissão e a negligência" dele "no trato das negociações das vacinas custou caro à sociedade (que sofre os efeitos sociais de uma economia em crise e sem perspectiva de reação), à saúde da população (que amarga índices descontrolados de morbidade e mortalidade por covid-19) e ao SUS (cujos leitos de UTI Covid adulto, só no primeiro semestre de 2020, custaram R$ 42 milhões/dia ou R$ 1,27 bilhão/ mês)".

O órgão também requer ressarcimento integral do prejuízo, pagamento de multa de até duas vezes o valor do dano, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de cinco a oito anos e proibição de contratar com o Poder Público. O processo tramita, provisoriamente, em segredo de justiça.

A ação enviada à 20ª Vara de Justiça federal é resultado de um inquérito civil instaurado inicialmente por representação de um cidadão comum. Em seguida, ela foi juntada a diversos outros pedidos de investigação apresentados por agentes públicos e entidades civis. Os representantes apontavam, sobretudo, irregularidades e omissões ocorridas na gestão do Ministério da Saúde e outros órgãos do governo, no combate à Covid-19.

PUBLICIDADE

Procuradores citaram a "omissão injustificada do acusado na aquisição tempestiva de vacinas para imunizar a população ainda em 2020", de acordo com o MPF. Outra foi a "adoção ilegal – e indevida – do chamado 'tratamento precoce' como principal ação de política pública para enfrentar o coronavírus em 2020 e 2021". 

O ministério também apontou uma terceira conduta, ao dizer
que o ex-ministro foi, "injustificadamente, omisso na ampliação de testes para a população e na distribuição de milhares de kits de testes PCR, a ponto de perderem a sua validade nos almoxarifados do Ministério da Saúde". 

PUBLICIDADE

Outra postura citada pelo MPF foi ações tomadas pelo ex-ministro "para dificultar o acesso da sociedade às informações essenciais sobre a pandemia, suprimindo a publicidade de dados relevantes ao seu acompanhamento e evolução".

Os procuradores afirmam ainda que o ex-ministro foi "omisso no papel de gestor nacional do Sistema Único de Saúde (SUS), ao deixar de coordenar ações de controle, aquisição e distribuição de medicamentos essenciais para pacientes internados por Covid". 

PUBLICIDADE

*Com informações do MPF

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email