MST: “FHC criou mensalão ao comprar reeleição”

Às vésperas do outubro vermelho, quando o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra promete fazer invasões de terra, fechar estradas e promover protestos pela reforma agrária por todo o País, João Pedro Stédile liga sua metralhadora verbal; além de criticar o ex-presidente FHC, ele disse ao jornalista Renato Dias, do Diário da Manhã, de Goiás, que a presidente Dilma precisa "sair da retórica e fazer mais desapropriações" e condena o Judiciário, após vencer processo contra a revista Veja em duas instâncias e perder no STF: "O Poder Judiciário ainda é monárquico, não passou para a República"

www.brasil247.com - Às vésperas do outubro vermelho, quando o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra promete fazer invasões de terra, fechar estradas e promover protestos pela reforma agrária por todo o País, João Pedro Stédile liga sua metralhadora verbal; além de criticar o ex-presidente FHC, ele disse ao jornalista Renato Dias, do Diário da Manhã, de Goiás, que a presidente Dilma precisa "sair da retórica e fazer mais desapropriações" e condena o Judiciário, após vencer processo contra a revista Veja em duas instâncias e perder no STF: "O Poder Judiciário ainda é monárquico, não passou para a República"
Às vésperas do outubro vermelho, quando o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra promete fazer invasões de terra, fechar estradas e promover protestos pela reforma agrária por todo o País, João Pedro Stédile liga sua metralhadora verbal; além de criticar o ex-presidente FHC, ele disse ao jornalista Renato Dias, do Diário da Manhã, de Goiás, que a presidente Dilma precisa "sair da retórica e fazer mais desapropriações" e condena o Judiciário, após vencer processo contra a revista Veja em duas instâncias e perder no STF: "O Poder Judiciário ainda é monárquico, não passou para a República" (Foto: Sheila Lopes)


247 – Sobrou para o ex-presidente Fernando Henrique. Ao ligar sua metralhadora verbal giratória, em entrevista ao jornalista Renato Dias, do Diário da Manhã, de Goiânia, o coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, disse com todas as letras o que parecia esquecido:

- Fernando Henrique inventou o 'mensalão' ao compra sua reeleição, disse Stédile, referindo-se às manobras no Congresso, em 1997, executadas aprovar a mudança na legislação.

O líder do MST também fez críticas ao governo Dilma Rousseff, afirmando que nos últimos dois anos não houve nenhuma grande desapropriação de terra. No momento, segundo ele, 100 mil famílias de Sem Terra vive acampadas no interior do Brasil.

- O ministro Guido Mantega e o presidente do Banco Central (Alexandre Tombini) precisam suspender imediatamente a política de realização de superávit primário, que significa uma farra para os banqueiros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para o mês de outubro, o MST planeja uma série de ações pelo Brasil, cobrando mais atos pela reforma agrária do governo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- A presidente Dilma fez autocrítica reconhecendo que precisa ouvir mais a voz das ruas, mas isso é pouco. Ela tem de recuperar o tempo que perdeu na reforma agrária e, efetivamente, dar um caráter popular ao seu governo. Todos estamos cansados de retórica apenas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em razão de uma experiência pessoal recém vivida com um processo aberto por ele contra a revista Veja na Justiça, Stédile também disparou contra o sistema judiciário. Ele venceu nas duas primeiras instâncias, mas perdeu no STF:

- A verdade é que o Poder Judiciário ainda não aceitou que estamos numa República. Continua monárquico, como se o Brasil não tivesse avançado para uma democracia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email