MT liberta 12 escravos no Rio Grande do Sul

Grupo que trabalhava no corte e extrao de pinhas em Vacaria tinha cinco menores de idade

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com informações da Agência Brasil – Mais comum nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, o trabalho escravo ainda é registrado, vez ou outra, nos cantos mais ricos e desenvolvidos do País. Doze trabalhadores em condições similares à escravidão foram resgatados em Vacaria, no Rio Grande do Sul, por auditores fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego. A operação teve início na última quinta-feira (28) e terminou ontem (3) de manhã, em uma propriedade rural localizada a aproximadamente 20 quilômetros do centro de Vacaria.

O grupo trabalhava no corte e na extração de pinhas da espécie de pinheiros Pinus eliotti. A maioria dos trabalhadores estava alojada na propriedade “sem as mínimas condições de higiene e conforto, evidenciando situação de degradação”, informou o gerente do Trabalho e Emprego em Caxias do Sul, Vanius João de Araujo Corte.

No grupo havia cinco menores, dois com idade inferior a 16 anos. Todos estavam desacompanhados dos responsáveis. Segundo Vanius, esse fato agravou ainda mais a situação, porque as atividades desenvolvidas no local constam da lista das piores formas de trabalho infantil, sendo proibidas para menores de 18 anos.

No local não havia banheiros e as acomodações não eram apropriadas para repouso e refeições. Os resgatados também não tinham a Carteira de Trabalho assinada ou qualquer tipo de formalização do contrato de trabalho.

Os trabalhadores foram imediatamente afastados da atividade e o proprietário arcou com o pagamento de R$ 25 mil em indenizações das verbas rescisórias. O valor foi pago em espécie, na presença dos auditores fiscais. Os trabalhadores resgatados receberam formulários para encaminhamento do pedido de seguro-desemprego.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email