"Multa de R$ 22 milhões ficou barata para o PL", diz Marcelo Uchôa

"O PL tentou, na safadeza, surrupiar o voto de dezenas e dezenas de milhões de brasileiros. Esmagar a soberania popular!", afirma o advogado e professor

www.brasil247.com - Marcelo Uchôa e Valdemar Costa Neto
Marcelo Uchôa e Valdemar Costa Neto (Foto: Reprodução/Youtube | Reprodução/Facebook)


247 - O advogado e professor Marcelo Uchôa afirmou pelo Twitter na manhã desta quinta-feira (22) que a multa de R$ 22 milhões determinada pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, ao PL "saiu barata".

"A função de qualquer partido político num regime democrático é contribuir com a democracia. O PL fez disso letra morta e tentou, na safadeza, surrupiar o voto de dezenas e dezenas de milhões de brasileiros. Esmagar a soberania popular! Acredite: a multa de 22 milhões saiu barata", escreveu.

>>> Alexandre de Moraes diz que pedido 'esdrúxulo' de Bolsonaro e Valdemar visava estimular atos criminosos

Moraes classificou o pedido do PL para anulação de votos depositados em uma série de urnas eletrônicas de modelo mais antigo como esdrúxulo, ilícito e ostensivamente atentatório ao Estado democrático de Direito. 

O pedido encaminhado pelo PL ao TSE alegava "inconsistências graves e insanáveis acerca do funcionamento de uma parte das urnas eletrônicas utilizadas no pleito eleitoral de 2022". A partir dessa conclusão, a legenda pediu que Bolsonaro fosse declarado vencedor do pleito por ter maior votação nas "urnas válidas". 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247