'Não separar as facções rivais acabou sendo explosivo' no Amazonas

Avaliação é da secretária Especial de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, Flávia Piovesan, "a cultura das prisões em massa é um dos motivos para rebeliões"; ela avalia que o Estado Amazonas, em sua política de encarceramento, foi omisso ao optar por não separar as facções; "Quando há facções criminosas rivais, estudos apontam que é preciso separá-las, não mantê-las na mesma unidade. [Não separá-las] Acabou sendo explosivo", diz Flávia; ela compara o massacre do presídio do Amazonas ao do Carandiru em São Paulo, o maior da história do Brasil

Avaliação é da secretária Especial de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, Flávia Piovesan, "a cultura das prisões em massa é um dos motivos para rebeliões"; ela avalia que o Estado Amazonas, em sua política de encarceramento, foi omisso ao optar por não separar as facções; "Quando há facções criminosas rivais, estudos apontam que é preciso separá-las, não mantê-las na mesma unidade. [Não separá-las] Acabou sendo explosivo", diz Flávia; ela compara o massacre do presídio do Amazonas ao do Carandiru em São Paulo, o maior da história do Brasil
Avaliação é da secretária Especial de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, Flávia Piovesan, "a cultura das prisões em massa é um dos motivos para rebeliões"; ela avalia que o Estado Amazonas, em sua política de encarceramento, foi omisso ao optar por não separar as facções; "Quando há facções criminosas rivais, estudos apontam que é preciso separá-las, não mantê-las na mesma unidade. [Não separá-las] Acabou sendo explosivo", diz Flávia; ela compara o massacre do presídio do Amazonas ao do Carandiru em São Paulo, o maior da história do Brasil (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Para a secretária Especial de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, Flávia Piovesan, "a cultura das prisões em massa é um dos motivos para rebeliões". Ela avalia que o Estado Amazonas, em sua política de encarceramento, foi omisso ao optar por não separar as facções.

"Quando há facções criminosas rivais, estudos apontam que é preciso separá-las, não mantê-las na mesma unidade. [Não separá-las] Acabou sendo explosivo", disse Flávia ao jornal O Estado de São Paulo.

A secretária de direitos humanos compara o massacre do presídio do Amazonas ao do Carandiru em São Paulo, o maior da história do Brasil.

"O que se vê é a falência do sistema repressivo-punitivo e a cultura de violação maciça de direitos humanos. Temos projetos em implementação que buscam combater isso, como as audiências de custódia, para diminuir a superlotação e contribuir para a prevenção da tortura. É um desafio duríssimo combater as brigas entre as facções. Os presídios são habitados pelo crime organizado. A reincidência dos presos é de quase 80%, e estamos longe de alcançar a ressocialização", diz Flávia Piosevan.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email