Nassif: a PF de Moro quis agradar o presidente paraguaio, amigo de Bolsonaro

O jornalista Luis Nassif destaca no jornal GGN que a prisão do doleiro Dario Messer no Brasil "foi uma gentileza da família Bolsonaro" ao presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez. A detenção foi efetuada pela PF, subordinada ao ministro Sérgio Moro (Justiça)

247 - O jornalista Luis Nassif destaca no jornal GGN que a prisão do doleiros dos doleiros Dario Messer no Brasil "foi uma gentileza da família Bolsonaro" ao presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez.

Segundo Nassif, Horácio Cartes, presidente do Paraguai até 15 de agosto de 2018, "lidera o movimento 'Honor Colorado', integrado por 24 deputados". "Trata-se de uma facção do secular, corrupto e fortíssimo Partido Colorado. Os deputados do HC se uniram a oposição para votar o 'juicio politico' (impeachment) do presidente Mário Abdo Benítez", diz.

"Assim que anunciada a prisão de Messer, o movimento de Horácio Cartes refluiu sem aparente razão. E a possibilidade do impeachment do presidente Mário Abdo Benítez, filho de Abdo 'el burrico' secretário particular do ditador Stroessner por três décadas, foi simplesmente fulminada", acrescenta.

Nassif destaca que, em "cinco anos de governo Cartes", Messer "se estabeleceu numa mansão no rico bairro do Yacht Golf Club, em Assunção, ganhou passaporte paraguaio e acesso direto ao presidente, que lhe beija no rosto e o chama de 'irmão'".

"Até os inimigos reconhecem a gratidão de Cartes à família Messer.  Os investimentos de Messer no Paraguai, ainda hoje, em fazendas de soja, reflorestamento, gado chegam às centenas de milhões de dólares".

Leia a íntegra no Jornal GGN

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247