Natureza de Bolsonaro é golpista e recuo não inspira confiança, diz Gleisi

Presidenta nacional do PT diz que ninguém ameaça democracia só pelo "calor do momento"

Presidente nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann pede impeachment de Jair Bolsonaro
Presidente nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann pede impeachment de Jair Bolsonaro (Foto: LULA MARQUES)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - A deputada Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do PT, defendeu que a oposição deve permanecer atenta aos riscos à democracia brasileira, ao comentar a nota em que Jair Bolsonaro recua dos ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF), divulgada na tarde desta quinta-feira (9). 

Pelo Twitter, Gleisi disse que ninguém ameaça democracia só pelo "calor do momento". "Natureza de Bolsonaro é golpista, antidemocrática. Bom que diga q recuou, mas seus ditos e desditos não inspira menor confiança. Temos de manter a defesa permanente da democracia diante do risco que ele é", disse a petista. 


Lei também matéria da agência Reuters sobre o assunto:

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira que pessoas que exercem o poder não têm o direito de "esticar a corda" a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia, ao mesmo tempo que disse que nunca teve a intenção de agredir quaisquer dos Poderes.

PUBLICIDADE

Bolsonaro acrescentou que boa parte das divergências que têm causado conflitos decorrem de entendimentos a respeito de decisões adotadas pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), no âmbito do inquérito das fake news.

"Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de 'esticar a corda', a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia", disse Bolsonaro, em Declaração à Nação publicada nesta tarde pelo Palácio do Planalto.

"Por isso quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum", acrescentou.

PUBLICIDADE

Principal alvo das manifestações do 7 de Setembro, convocadas por Bolsonaro, Moraes é o ministro do STF responsável por conduzir investigações sensíveis contra o próprio presidente e aliados, tendo determinado prisões, buscas e apreensões e bloqueios de bens de simpatizantes do governo e entidades que supostamente pretendiam realizar atos antidemocráticos no feriado.

Durante discurso em São Paulo, dia 7, Bolsonaro fez ataques duríssimos contra Moraes e disse que não acataria mais decisões do magistrado.

"Não vamos mais admitir que pessoas como Alexandre de Moraes continuem a açoitar a nossa democracia e desrespeitar a nossa Constituição... ou esse ministro do Supremo se enquadra ou ele pede para sair"", afirmou o presidente a apoiadores em São Paulo.

PUBLICIDADE

"Dizer a vocês que qualquer decisão do senhor Alexandre de Moraes, esse presidente não mais cumprirá. A paciência do nosso povo já se esgotou, ele tem tempo ainda de pedir o seu boné e ir cuidar da sua vida. Ele, para nós, não existe mais", acrescentou o presidente.

Essas declarações levaram a uma forte reação de autoridades dos demais Poderes. O presidente do STF, Luiz Fux, alertou Bolsonaro que o não cumprimento de decisões judiciais configura crime de responsabilidade --esse tipo de delito é punido com a perda do cargo.

A nota desta quinta-feira foi publicada após Bolsonaro ter se reunido com o ex-presidente Michel Temer em Brasília. Moraes foi ministro do governo Temer, em cuja gestão ele foi indicado para o Supremo.

Na declaração, Bolsonaro afirmou que existem "naturais divergências" em algumas decisões de Moraes, mesmo reconhecendo as qualidades do magistrado como jurista.

O presidente disse que essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previstos na Constituição.

RESPEITO PELAS INSTITUIÇÕES

Bolsonaro reiterou ainda o "respeito pelas instituições da República, forças motoras que ajudam a governar o país".

"Democracia é isso: Executivo, Legislativo e Judiciário trabalhando juntos em favor do povo e todos respeitando a Constituição", destacou.

Bolsonaro afirmou que sempre esteve disposto a "manter o diálogo permanente com os demais Poderes pela manutenção da harmonia e independência entre eles".

No final, o presidente agradeceu "o extraordinário apoio do povo brasileiro, com quem alinho meus princípios e valores, e conduzo os destinos do nosso Brasil".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email