'Ninguém vai ficar na miséria se cortar o Bolsa Família'

Afirmação é do relator do Orçamento Geral da União (OGU) de 2016, deputado Ricardo Barros (PP-PR); conseguindo desagradar base e oposição com a proposta, além da presidente Dilma Rousseff, Barros também criticou o uso eleitoral do programa ao dizer acha "perfeito, natural" que os parlamentares do PT reajam; "São eles que politicamente se beneficiam da distribuição de recursos do Bolsa Família. As pessoas creditam ao Governo a ajuda financeira mensal. Então, os beneficiados por isso são os que estão mais ligados ao Governo, especialmente, os deputados e senadores do PT", disse

Afirmação é do relator do Orçamento Geral da União (OGU) de 2016, deputado Ricardo Barros (PP-PR); conseguindo desagradar base e oposição com a proposta, além da presidente Dilma Rousseff, Barros também criticou o uso eleitoral do programa ao dizer acha "perfeito, natural" que os parlamentares do PT reajam; "São eles que politicamente se beneficiam da distribuição de recursos do Bolsa Família. As pessoas creditam ao Governo a ajuda financeira mensal. Então, os beneficiados por isso são os que estão mais ligados ao Governo, especialmente, os deputados e senadores do PT", disse
Afirmação é do relator do Orçamento Geral da União (OGU) de 2016, deputado Ricardo Barros (PP-PR); conseguindo desagradar base e oposição com a proposta, além da presidente Dilma Rousseff, Barros também criticou o uso eleitoral do programa ao dizer acha "perfeito, natural" que os parlamentares do PT reajam; "São eles que politicamente se beneficiam da distribuição de recursos do Bolsa Família. As pessoas creditam ao Governo a ajuda financeira mensal. Então, os beneficiados por isso são os que estão mais ligados ao Governo, especialmente, os deputados e senadores do PT", disse (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Para o relator do Orçamento Geral da União (OGU) 2016, deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), os cortes que ele propôs sobre a peça orçamentária e que preveem um corte de R$ 10 bilhões do programa Bolsa Família – equivalente a 35% do valor total de R$ 28,8 bilhões do benefício pago a 14 milhões de famílias de baixa renda – não deixará "ninguém na miséria".

Em uma longa entrevista concedida ao jornal El País, Barros destaca que o corte proposto visa equilibrar o OGU 2016 e evitar um rombo de R$ 60 bilhões, como estimado pelos ministérios da Fazenda e do Planejamento. A proposta, contudo, conseguiu desagradar a gregos e troianos, ou melhor, tanto a base governista quanto a oposição.

De um lado, o governo deseja manter intocado o seu principal programa social, o que levou ao líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), e até a própria presidente Dilma Rousseff a se manifestarem de forma contrária a proposta. Do outro, até parlamentares da oposição, como o líder da oposição na Câmara dos Deputados, Bruno Araújo (PSDB-PE), já disseram que votarão contra o corte.

Apesar de se dizer "feliz que a presidente tenha se sensibilizado com isso porque talvez a mensagem modificativa que venha do Orçamento venha com os dados equilibrados e me poupe de fazer esses cortes", Barros detonou o que chamou de uso eleitoreiro do Bolsa Família.

"Que os parlamentares do PT reajam, eu acho perfeito, natural. São eles que politicamente se beneficiam da distribuição de recursos do Bolsa Família. As pessoas creditam ao Governo a ajuda financeira mensal. Então, os beneficiados por isso são os que estão mais ligados ao Governo, especialmente, os deputados e senadores do PT", disse.

Confira aqui a íntegra da entrevista concedida pelo relator Ricardo Barros ao jornal El País.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247