No Amapá, Bolsonaro diz que excludente de ilicitude serve para PM barrar MST

Em frase tortuosa, presidente parece sugerir que militares ficariam tranquilos para barrar sem-terras com lei que é considerada licença para matar

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Jair Bolsonaro defendeu que caso o excludente de ilicitude - que na prática funciona como espécie de salvaguarda jurídica para policiais que matarem ou praticarem atos violentos em serviço - seja aprovado pelo Congresso, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) não terá mais espaço para invadir terras. 

"Vejo agora, meus policiais militares aqui presentes, o MST ameaçando realizar dezenas de invasões no corrente ano. Se um dia eu tiver no Congresso Nacional uma exclusão de ilicitude, pode ter certeza, aproveite para invadir agora porque no futuro não invadirão”, disse Bolsonaro durante um evento em Macapá, nesta sexta-feira (14). 

“O que é o excludente de ilicitude: é o militar que, ao cumprir sua missão, vai para casa descansar tendo a certeza de que não vai ter a visita de um oficial de Justiça para processá-lo. Ou nós temos lei ou não temos. Estamos mudando muitas coisas no Brasil, devagar, mas estamos mudando. Temos uma meta a atingir, temos uma caminho a percorrer", emendou em seguida. 

PUBLICIDADE

Atualmente, o Código Penal brasileiro prevê a exclusão de ilicitude apenas para os casos de estrito cumprimento de dever legal, em legítima defesa e em estado de necessidade.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

PUBLICIDADE

 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email