No dia do assassinato, Carrefour lançou "manifesto pela diversidade"

Um dia após seguranças espancarem um homem negro até a morte em uma de suas unidades em Porto Alegre, o Carrefour lançou um manifesto exaltando o "orgulho de ter clientes, colaboradores e fornecedores” com as mais diferentes crenças, etnias, identidades de gênero e orientações sexuais

Carrefour
Carrefour
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um dia após um homem negro ser espancado até a morte por seguranças de uma unidade do Carrefour em Porto Alegre, o grupo varejista lançou, nesta sexta-feira (20) – dia da Consciência Negra - um manifesto pela diversidade.  

De acordo com reportagem da coluna da jornalista Bela Megale, na Folha de S. Paulo, o manifesto será afixados nas lojas e centrais de distribuição da rede supermercadista de todo o país. No material , o Carrefour diz ter “orgulho de ter clientes, colaboradores e fornecedores” com as mais diferentes crenças, etnias, identidades de gênero e orientações sexuais. 

Na noite desta quinta-feira, na véspera do Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, morreu após ser espancado por dois seguranças de uma loja do supermercado Carrefour localizada no bairro Passo d´Areia, na zona norte de Porto Alegre. 

Nesta sexta-feira, movimentos negros de Porto Alegre estão mobilizando nas redes sociais uma manifestação em frente à loja onde ocorreu o homicídio. O protesto está previsto para ser realizado às 18h.  

 Após o caso ganhar repercussão nacional, o grupo varejista divulgou uma nota onde afirma “lamentar profundamente o caso". 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247