No país com mais de 12 milhões de desempregados, criança pede emprego para o pai em cartinha de Natal

"Só queria um emprego para o meu pai, para ele não ficar mais triste”, escreve o garoto Matheus Gomes Freire, de 12 anos na carta, recebida por uma funcionária de um estabelecimento em Cubatão, que resolveu publica-la nas redes, o que gerou grande repercussão

(Foto: Arquivo pessoal/ Manoel Gomes Freire)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O drama do desemprego no Brasil tem atingido também as crianças. em Cubatão (SP), o garoto Matheus Gomes Freire, de 12 anos, entregou na última sexta-feira (20) uma cartinha com pedido pedido de emprego para o pai, durante a ação de um estabelecimento da cidade. 

"Só queria um emprego para o meu pai, para ele não ficar mais triste”, escreve Matheus na carta, recebida por uma funcionária que resolveu publica-la nas redes, o que gerou grande repercussão.

Segundo reportagem do G1, o pai de Matheus, Manoel Dos Santos Freire, de 53 anos, é soldador e está desempregado há cerca de 10 meses, quando o contrato que mantinha com a empresa que trabalhava, em Santos, no litoral de São Paulo, acabou. Além dele, na casa moram a esposa, que também está desempregada, e o filho.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados em novembro, a taxa de desemprego no Brasil fechou em 11,6% no trimestre encerrado em outubro, o que corresponde a 12,4 milhões de pessoas sem trabalho. O número de empregados sem carteira de trabalho assinada no setor privado chegou a 11,9 milhões de pessoas, novo recorde na série histórica.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247