No TSE, Napoleão nega ter sido citado em delação

O ministro Napoleão Nunes Maia Filho criticou reportagens desta sexta-feira 9 que dizem que ele foi citado em delação premiada da empreiteira OAS; em seguida, ele também se irritou com notícia de que "um homem misterioso" teria entrado no tribunal para lhe entregar um envelope; "Era simplesmente o envelope com as fotos de uma criança. O homem misterioso era meu filho simplesmente", explicou; barrado por trajes na entrada do TSE, o homem acabou causando um tumulto, chegando a desafiar a ameaça de voz de prisão: "então dê"; Napoleão agora lê seu voto sobre a cassação da chapa Dilma-Temer

napoleão
napoleão (Foto: Gisele Federicce)

247 - O ministro Napoleão Nunes Maia Filho, do Tribunal Superior Eleitoral, criticou, na tarde desta sexta-feira 9, a notícia de que "um homem misterioso" teria entrado no TSE para lhe entregar um envelope.

Segundo ele, o homem era seu filho, que queria lhe mostrar as fotos de sua neta, de três anos. Como não estava vestido a rigor - é exigido terno preto para entrar no tribunal - não deixaram ele entrar.

Ao ser barrado, ele acabou causando um tumulto, chegando a desafiar a ameaça de voz de prisão dos seguranças: "então dê". A segurança do tribunal estava certa, segundo o ministro, que criticou, porém, o termo "homem misterioso" usado por site na internet.

"Era simplesmente o envelope com as fotos de uma criança. O homem misterioso era meu filho simplesmente", explicou.

As críticas foram feitas no retorno do julgamento nesta tarde. O ministro recebeu o apoio do presidente da corte, Gilmar Mendes.

Napoleão também negou em seguida reportagens divulgadas nesta sexta na imprensa de que ele teria sido citado em delação da OAS.

Assista aqui.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247